Mercados: cenário externo melhora

As declarações do presidente do banco central norte-americano, Alan Greenspan, sinalizando uma possível redução das taxas de juros no futuro; e a divulgação do pacote de ajuda à Turquia deixaram os mercados mais tranqüilos durante a manhã. No mercado de câmbio, esses fatores foram fundamentais para reverter uma tendência de alta para o dólar, que era esperada em função do cancelamento do leilão da Cesp.Há pouco, o dólar estava cotado a R$ 1,9680 na ponta de venda - alta de 0,56% em relação aos últimos negócios de ontem. No mercado de juros, Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - pagam juros de 17,690% ao ano, frente a 17,950% ao ano registrados ontem. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) registra queda de 0,41%.Com a melhoria do cenário, principalmente em relação à tendência de queda de juros nos EUA, alguns analistas afirmam que existe a possibilidade de corte na taxa básica de juros - Selic. Isso aconteceria na próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), que está marcada para os dias 19 e 20 de dezembro. A decisão no Brasil sai no dia seguinte à reunião do FED.Mas esse otimismo não é consenso no mercado. Para alguns operadores e analistas, apesar das notícias positivas, ainda existe a incerteza em relação à crise na Argentina, o que pode mexer com os negócios no mercado brasileiro. Para o economista do Lloyds TSB, Odair Abate, a declaração de Greenspan foi um fator relevante para a perspectiva de melhora, mas ele ressalta que o corte de juro dos EUA só deve ocorrer no ano que vem "talvez no primeiro trimestre".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.