Mercados céticos em relação à Argentina

Depois do fracasso das negociações do ministro da Economia da Argentina, Domingo Cavallo, com os governadores de províncias e dos sucessivos adiamentos do anúncio do pacote de medidas econômicas, a avaliação do mercado é de que o país vizinho perdeu credibilidade. Além disso, continuam as especulações de que o ministro deixará o governo, principalmente após o desgaste político causado pelos conflitos entre Cavallo e os governadores das províncias.No final de semana, o ministro afirmou que está preparando uma reestruturação de toda a dívida do país, interna e externa, no valor de US$ 132 bilhões. Porém, depois de todos os desentendimentos e o adiamento na divulgação do pacote de medidas econômicas, os investidores estão mais céticos quanto ao anúncio de alguma novidade no país vizinho.Os títulos da dívida argentina estão cotados a 59,750 centavos por dólar, com queda de 5,76% em relação aos últimos negócios de sexta-feira. No meio da manhã, a taxa de risco do país ultrapassou os 1.900 pontos. A Bolsa de Buenos Aires opera com queda de 3,46%, às 15h.Veja os números do mercado financeiroO dólar comercial para venda opera cotado a R$ 2,7260, com queda de 0,04% em relação aos últimos negócios de sexta-feira. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - pagam juros de 23,620% ao ano, frente a 23,800% ao ano ontem. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) opera com queda de 1,60%.Nos Estados Unidos, o Dow Jones - Índice que mede a variação das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - está em queda de 2,13%, e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York - registra baixa de 1,85%. Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.