Mercados começam a semana mais pessimistas

O mercado financeiro no Brasil volta mais pessimista do feriado nacional - Dia da Independência. Entre as más notícias, na sexta-feira foi divulgada a taxa de desemprego norte-americana. O resultado ficou em 4,9%, quando a expectativa era de 4,7%. Trata-se do maior nível em quatro anos. Os índices referentes ao mercado de trabalho nos Estados Unidos são vistos com muita preocupação neste momento em que se discute o ritmo do desaquecimento da economia do país. Uma taxa de desemprego mais elevada tem impacto no consumo, que é responsável por dois terços da economia do país. Ou seja, o risco de uma recessão nos Estados Unidos não foi afastado.Outra notícia negativa que impactou na abertura dos negócios vem do Japão. Lá, o resultado do Produto Interno Bruto (PIB) registrou queda de 0,8% no segundo trimestre na comparação com o período anterior e de 3,2% na comparação com o mesmo período do ano passado. A desaceleração forte da economia japonesa contribui para o desaquecimento econômico mundial, já agravado pela situação norte-americana.Veja como estão os mercadosO dólar comercial está cotado a R$ 2,6050 na ponta de venda dos negócios. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) opera com baixa de 1,66. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - pagam juros de 23,190% ao ano, frente a 22,740% ao ano ontem.Nos Estados Unidos, o Dow Jones - Índice que mede a variação das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - registra queda de 0,93%, e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York - está em queda de 0,75%.Não deixe de ver no link abaixo as perspectivas para a semana no mercado financeiro e as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.