Mercados corrigem cotações após Copom

Mesmo sem ter surpreendido os mercados, a decisão de ontem do Comitê de Política Monetária (Copom) provocou ajustes nas cotações. O mercado apostava numa queda de 0,25 ponto porcentual da Selic, a taxa básica referencial da economia, embora admitisse a possibilidade que acabou se concretizando, a de manutenção da taxa em 15,25% ao ano. Com isso, os juros futuros sofreram elevação e a Bolsa caiu. Os investidores agora temem um ritmo mais lento na queda dos juros brasileiros, especialmente porque a alegação do Comitê para não reduzir os juros foi o medo de uma pressão maior sobre a inflação. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou em queda de 1,07%. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - fecharam o dia pagando juros de 15,920% ao ano, frente a 15,780% ao ano ontem. O dólar fechou estável em R$ 1,9900.Nos Estados Unidos, prossegue o otimismo inaugurado com as declarações de Alan Greenspan, presidente do FED - o banco central norte-americano -, de que a economia dos EUA já possa estar retomando o processo de recuperação. O Dow Jones - Índice que mede a variação das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - fechou em alta de 0,89%, e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York - em alta de 2,47%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.