Mercados: crise argentina influencia negócios

As incertezas em relação à capacidade da Argentina em enfrentar seus problemas econômicos, ou seja, pagar suas dívidas e retomar o crescimento não saíram do cenário, apesar da notícia favorável de queda de juros norte-americanos. Com isso, o pessimismo voltou a dominar os negócios durante amanhã. A influência negativa no mercado de câmbio fez o dólar chegar à máxima do dia, de R$ 2,2070. Há pouco estava cotado a R$ 2,2030 na ponta de venda dos negócios - alta de 0,96% em relação aos últimos negócios de ontem. No mercado de juros, os contratos de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - pagam juros de 21,496% ao ano, frente a 21,100% ao ano registrados ontem. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) opera em queda de 2,78%.A situação na Argentina influencia a visão dos investidores em relação ao Brasil. Isso porque uma crise no país vizinho provoca um aumento do nível de risco também do Brasil. Parte dos investidores, para se proteger, sai de ativos brasileiros. Outros trocam ativos em reais para ativos em dólar. Os dois grupos aumentam o volume de demanda pela moeda norte-americana, elevando mas cotações. Nos Estados Unidos, a Nasdaq - bolsa dos Estados Unidos que negocia papéis do setor de tecnologia e Internet - está em alta de 3,52%. O índice Dow Jones - que mede a valorização das ações mais negociadas em Nova York - registra alta de 0,35%. Veja no link abaixo a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.