finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Mercados: dados dos EUA reforçam queda de juros

O mercado financeiro no Brasil opera atento aos acontecimentos no mercado internacional. No início da tarde, foi divulgado o índice de confiança do consumidor norte-americano referente ao mês de janeiro - de 114,4. Trata-se do mais baixo índice desde dezembro de 1996. O resultado demonstra a perspectiva dos norte-americanos sobre a possibilidade de uma recessão no país.A divulgação ocorre no primeiro dia da reunião do banco central dos Estados Unidos (FED) que deve decidir por um corte na taxa de juros do país. A taxa está em 6,0% ao ano e há grande possibilidade de uma redução de 0,5 ponto porcentual. A política de redução dos juros começou a ser promovida pelo FED com o objetivo de evitar um desaquecimento forte da economia norte-americana, evitando uma recessão. Na quinta-feira da semana passada, o presidente do FED, Alan Greenspan, disse que há divergências entre os economistas quanto ao que constitui uma recessão, mas que um ponto importante para a instituição era a confiança dos consumidores. O resultado de hoje, por revelar um pessimismo dos investidores, abre ainda mais a possibilidade de corte de juros nos EUA. Como está o mercado financeiroA Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) opera em queda de 0,88%. O dólar comercial está cotado a R$ 1,9710 na ponta de venda dos negócios - queda de 0,20% em relação aos últimos negócios de ontem. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - pagam juros de 15,430% ao ano, frente a 15,410% ao ano ontem.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.