Mercados de NY oscilam com balanços de empresas

Investidores norte-americanos pesam resultados divulgados nesta quarta; Bovespa cai, com Vale e Petrobras

Nathália Ferreira, da Agência Estado,

23 de abril de 2008 | 11h35

A Bolsa de Nova York oscila entre o território positivo e o negativo desde a abertura nesta quarta-feira, 23,, com investidores tentando uma alta depois do aumento no lucro da Boeing, que mostrou que muitas multinacionais dos EUA estão posicionadas para crescer mesmo com a desaceleração doméstica. Mas o prejuízo trimestral da seguradora de bônus Ambac Financial Group pesa no mercado. As ações de tecnologia ganham impulso com o resultado do Yahoo!, que registrou aumento no lucro acima das expectativas.  Veja também:Delta Airlines tem prejuízo de US$ 6,4 bi no 1º trimestreFinanceira dos EUA anuncia grandes perdas e bolsas caemUBS vai reduzir unidade de banco de investimento após criseCronologia da crise financeira  Entenda a crise nos Estados Unidos   Às 11h23 (de Brasília), o Dow Jones subia 0,14%, o Nasdaq avançava 0,77% e o S&P 500 tinha alta de 0,19%. Por aqui, a Bolsa de Valores de São Paulo caía 0,27%, aos 65.237 pontos, influenciada pelo comportamento negativo das ações de primeira linha (blue chips) Petrobras e Vale.  O Yahoo! registrou lucro líquido de US$ 542 milhões (US$ 0,37 por ação) no primeiro trimestre, salto de 282% na comparação com igual período do ano passado, indicando fortalecimento contínuo do setor de tecnologia. Mas analistas disseram que o resultado não foi forte o suficiente para a empresa brigar por uma oferta maior de aquisição da Microsoft e, às 11h05 (de Brasília), as ações da companhia cediam 1,58%. A Boeing registrou aumento de 38% em seu lucro líquido no primeiro trimestre, para US$ 1,21 bilhão ou US$ 1,62 por ação. As receitas subiram 4,1% para US$ 15,99 bilhões. Analistas esperavam lucro de US$ 1,35 por ação e receitas de US$ 16,52 bilhões. Assim como outros conglomerados globais, a Boeing conseguiu compensar a desaceleração doméstica com sua presença internacional, lembraram analistas. Às 11h24 (de Brasília), as ações avançavam 3,14%. Mas a Ambac Financial Group, segunda maior seguradora de bônus dos EUA, registrou prejuízo de US$ 1,66 bilhão, ou US$ 11,69 por ação, comparado a um lucro líquido de US$ 213,3 milhões, ou US$ 2,02 por ação, no mesmo período do ano passado. A média das estimativas de analistas consultados pela Thomson Reuters era de prejuízo de US$ 1,51 por ação. Às 11h05 (de Brasília), os papéis despencavam 29,35%. No setor de energia, o recuo dos preços do petróleo depois da máxima histórica de ontem derruba as ações das empresas. No setor financeiro, alguns papéis subiam, de olho no aumento do lucro do banco regional Sovereign Bancorp no primeiro trimestre. O lucro do banco subiu para US$ 100,1 milhões (US$ 0,20 por ação), acima dos US$ 48,1 milhões (US$ 0,09 por ação) no mesmo período do ano passado. "Vai ajudar bastante o mercado se as ações do setor financeiro pararem de cair e algumas começarem a subir consistentemente", comentou Richard Parker, diretor do Stanford Group. No setor aéreo não há muito alívio, já que o resultado da Delta Airlines derruba as ações da empresa e de outras companhias. A Delta informou que seu prejuízo líquido subiu para US$ 6,39 bilhões no primeiro trimestre, de um prejuízo de US$ 130 milhões no mesmo período do ano passado. A companhia registrou baixa contábil de US$ 6,1 bilhões relacionados à depreciação das cotações de suas ações desde que saiu da concordata no ano passado. Às 11h06 (de Brasília), as ações da Delta cediam 0,44%.

Tudo o que sabemos sobre:
Crise nos EUAMercados

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.