Mercados de NY reagem positivamente a balanços de bancos

Lehman Brothers e Goldman Sachs anunciam resultados melhores que o esperado e ajudam bolsas nos EUA

Cynthia Decloedt e Patricia Lara, da Agência Estado,

18 de março de 2008 | 09h44

Os índices futuros de Nova York sustentam seus ganhos nesta terça-feira, 18, assim como as bolsas européias, enquanto os Treasuries (títulos do governo americano) caem - projetando as taxas para cima - depois de o banco de investimento Goldman Sachs divulgar resultado melhor do que o previsto durante seu primeiro trimestre fiscal. O Lehman Brothers, na segunda-feira sob forte suspeita de que enfrentava dificuldades semelhantes às que levaram à venda do Bear Stearns, também informou resultado um pouco melhor do que o previsto.  Veja tambémPossível corte de juros nos EUA eleva bolsas da Europa e Ásia Mercado asiático abre em alta, após dia de perdasCrise externa eleva dólar pelo terceiro dia consecutivo BCs injetam recursos para socorrer bancosCrise no mercado global está maior, diz diretor-gerente do FMI Entenda a crise nos Estados Unidos   O sobe e desce do dólar Veja os efeitos da desvalorização do dólar Ambos os anúncios aliviam as preocupações de crise sistêmica financeira e abrem espaço para que as bolsas continuem subindo, na aposta de um corte de pelo menos 1 ponto porcentual do juro norte-americano esta tarde. As ações do Goldman Sachs subiram 6% no pré-mercado, depois de informar que seu lucro por ação caiu para US$ 3,23 por ação no trimestre, acima das projeções dos analistas de US$ 2,58. Já as ações do Lehman Brothers ganham 13% no pré-mercado, com anúncio de que seu lucro líquido por ação foi de US$ 0,81, superando as estimativas de US$ 0,72 por ação.  Às 9h21 (de Brasília), o futuro Nasdaq-100 avançava 1,25% e o S&P 500 subia 1,55%. O juro do note de 10 anos subia 2,07% para 3,37645% e o juro do note de dois anos avançava 8,18% para 1,44485%. O dólar sobe. No mesmo horário, o euro operava estável, revertendo alta, e valia US$ 1,5787. O dólar amplia alta para 97,73 ienes.  Inflação Também nesta terça, o Departamento do Trabalho divulgou a variação do índice de preços ao produtor norte-americano em fevereiro, de 0,3%, confirmando em cheio as expectativas. Economistas previam alta de 0,3% para o dado cheio. O núcleo do índice, que expurga a variação dos itens voláteis de alimentos e energia, subiu 0,5%, superando por uma margem ampla as previsões. A previsão para o núcleo era de alta de 0,2%.

Tudo o que sabemos sobre:
Crise nos EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.