Mercados devem reagir à decisão do FED

A decisão do banco central norte-americano (FED), de corte da taxa de juros em 0,5 ponto porcentual, veio dentro da expectativa dos analistas. Com a redução, os juros norte-americanos caíram de 6,0% para 5,5% ao ano. No Brasil, o maior impacto deve ser no mercado de juros, já que a decisão do FED reforça ainda mais a expectativa de redução da taxa básica de juros - Selic - na próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), que acontece nos dias 13 e 14 de fevereiro. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) opera em leve baixa de 0,29%. O dólar comercial está cotado a R$ 1,9770 na ponta de venda dos negócios - alta de 0,20% em relação às últimas operações de ontem. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - começam o dia pagando juros de 15,440% ao ano, frente a 15,430% ao ano ontem. A próxima reunião do FED acontece no dia 20 de março, mas o banco central norte-americano já sinalizou que poderá reduzir os juros antes disso. A estratégia agressiva do FED demonstra a preocupação da instituição com uma desaceleração muito rápida da economia, o que poderia provocar uma recessão nos EUA e comprometer o desenvolvimento econômico de outros países.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.