Mercados devem seguir cenário internacional

Com um nova rodada de anúncio de empresas nos Estados Unidos projetando para baixo seus lucros, o mercado acionário norte-americano reage mal e influencia diretamente os mercados no Brasil. Na Argentina, as notícias são positivas mas não suficientes para diminuir a instabilidade que voltou a tomar conta dos negócios ontem. Há pouco, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) estava em alta de 0,25%. O dólar comercial está cotado a R$ 2,1370 na ponta de venda dos negócios - alta de 0,56% em relação aos últimos negócios de ontem. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - pagam juros de 19,170% ao ano, frente a 18,900% ao ano registrados ontem. Resultados negativos no lucro das empresas nos EUA fazem com que os investidores refaçam suas contas em relação à perspectiva de ganho com os papéis dessas companhias. O efeito disso é uma queda no valor das ações agora, já que os investidores trocam de ações ou de investimento, com o objetivo de conseguir ganhos mais atraentes. Em relação à situação do país vizinho, o Senado argentino aprovou, nessa madrugada, após onze horas de discussões, os termos gerais do projeto que garante poderes especiais o ministro da Economia, Domingo Cavallo. Agora os senadores vão analisar cada um dos artigos do projeto dos poderes especiais e a expectativa é que sejam aprovados com pequenas modificações. Notícias positivas no mercado internoInternamente, foram afastadas as possibilidades de instauração de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apuração de denúncias de corrupção no governo. Os investidores devem reagir bem à essa decisão. A concentração de esforços políticos em uma CPI reduziria as chances de aprovação de medidas que podem melhorar o quadro econômico brasileiro, como a reforma tributária. Também foi aprovada a nova Lei das Sociedades Anônimas (Lei das S.A.s), ontem à noite, no plenário da Câmara dos Deputados. O objetivo das novas regras é melhor a forma de tratamento ao acionista minoritário. Apesar de ter sido aprovada com algumas mudanças, a perspectiva dos analistas é que a regulamentação melhore as condições do mercado acionário no Brasil. Veja mais informações ainda hoje no site Finanças Pessoais. No começo do dia, foi divulgada a ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom). O documento revelou que os índices de inflação acima das expectativas e as incertezas quanto ao grau de repasse da alta do dólar aos preços indicam que há riscos para o cumprimento da meta de 4% para a inflação em 2001. Com base nessa argumentação, os diretores do Banco Central (BC) justificaram a alta da taxa básica de juros (Selic) em 0,5 ponto porcentual. Amanhã o BC divulga seu relatório mensal de inflação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.