Mercados: dia tenso leva dólar a R$ 2,1310

O dia foi muito tenso nos mercados financeiros, em especial por causa da expectativa pelo pacote de ajuste fiscal argentino, que deve ser anunciado hoje às 21:15 (horário de Brasília). Especula-se que o pacote conterá várias medidas com cortes orçamentários de cerca de US$ 2 bilhões. Às dificuldades enfrentadas pelo governo da Argentina, somam-se a desaceleração das bolsas norte-americanas, a crise do sistema financeiro no Japão e a crise política na base aliada do governo. Até o acidente na plataforma da Petrobrás contribui para a necessidade de importação de petróleo, pressionando a balança comercial e os preços dos combustíveis.O dólar disparou, chegando perto das cotações mais altas atingidas desde a implementação do real. Os juros também chegaram a níveis muito superiores à Selic, a taxa básica de juros referencial da economia. A moeda norte-americana, depois de oscilar muito, fechou em R$ 2,1310, com alta de 1,57%. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - fecharam o dia pagando juros de 17,800% ao ano, frente a 17,500% ao ano ontem.A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) não acompanhou o nervosismo, mas vale lembrar que ela opera num patamar relativamente baixo. Mesmo com a alta de hoje, a Bolsa acumula perda de 8,11% desde o fechamento do dia 2 de março. A Bovespa fechou em alta de 1,18%. Nos Estados Unidos, as quedas também continuam grandes. O Dow Jones - Índice que mede a variação das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - fechou em queda de 2,07%, e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York - fechou em queda de 2,57%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.