Mercados: dias de poucos negócios

Com a aparente melhora do cenário argentino (veja mais informações no link abaixo), as cotações do dólar e juros estão em queda e a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) opera em alta. O volume de negócios é baixo às vésperas do feriado do Dia do Trabalho e os investidores mantêm o clima de cautela em relação aos investimentos. Há pouco, a Bovespa registrava alta de 0,47%. O dólar comercial está cotado a R$ 2,1980 na ponta de venda dos negócios - queda de 0,23% em relação aos últimos negócios de ontem. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - pagam juros de 21,000% ao ano, frente a 20,870% ao ano registrados na sexta-feira. Analistas consideram que as últimas notícias argentinas - perdão do Fundo Monetário Internacional (FMI) para o não cumprimento das metas do primeiro trimestre e a antecipação de recursos do pacote financeiro aprovado no ano passado - trouxeram algum alívio para os investidores. Mas o fim das preocupações só ocorrerá quando a Argentina provar que sua economia está no caminho do crescimento.Em relação à crise política interna, não há fatos novos. A expectativa fica por conta da acareação dos senadores Antonio Carlos Magalhães (PFL- BA) e José Roberto Arruda (sem partido-DF) e a ex-diretora do Serviço de Processamento de Dados do Senado Federal (Prodasen), Regina Célia Borges. O evento está marcado para quinta-feira. Mercado norte-americanoEm Nova York, as bolsas operam em alta. A Nasdaq - bolsa dos Estados Unidos que negocia papéis do setor de tecnologia e Internet - está em alta de 2,70%. O índice Dow Jones - que mede a valorização das ações mais negociadas em Nova York - registra leve alta de 0,05%.Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.