Mercados: dólar disparou em dia agitado

Os mercados tiveram um dia bastante agitado, e as más notícias aumentaram. O destaque foi para o dólar, que disparou com boatos de que o recém-empossado ministro da Economia da Argentina, Ricardo López Murphy, renunciaria. A moeda norte-americana abriu a R$2,0740, chegando à máxima de R$ 2,1050 a tarde, quando o Banco Central interveio no mercado, vendendo cerca de US$ 400 milhões. O efeito imediato foi de queda, mas as cotações voltaram a subir. No fechamento, a taxa de câmbio ficou em R$ 2,0980, com alta de 0,96% em relação ao fechamento de ontem.O nervosismo no mercado, foi agravado com os boatos em relação à situação Argentina. Surgiram especulações de que o corte orçamentário do pacote econômico do novo ministro seria maior do que o esperado, ficando acima de US$ 2 bilhões. Como ele já encontra muitas resistências, inclusive dentro da própria base aliada, medidas ainda mais ambiciosas seriam ainda mais difíceis de aprovar. Como a tensão já era grande com as quedas das bolsas em Nova York por causa da desaceleração da economia norte-americana e com a difícil situação econômica do Japão, em especial do sistema bancário, os boatos agravaram as apreensões do mercado.Para piorar, o acidente com a plataforma P36 na Bacia de Campos, responsável por 7% da produção diária da Petrobrás, afetou as ações da empresa. Como elas compõem cerca de 11% do Índice da Bolsa de Valores de São Paulo (Ibovespa), as quedas prejudicaram o desempenho da Bolsa, que caiu 1,21%. No embalo dos eventos do dia, os juros também dispararam. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - fecharam o dia pagando juros de 17,500% ao ano, frente a 16,880% ao ano ontem. Alheios às dificuldades no Brasil e na Argentina, os mercados nos Estados Unidos tentaram uma recuperação. Mas lá também o ambiente é pessimista. O Dow Jones - Índice que mede a variação das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - fechou em alta de 0,58%, e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York - fechou em queda de 1,59%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.