Mercados: dólar e Bolsa em alta

A crise argentina continua no foco das atenções dos investidores, mas os mercados brasileiros mantêm o equilíbrio. Paralelamente, os investidores também estão atentos aos números da economia brasileira e ao ritmo da atividade econômica norte-americana.Internamente, o Tesouro Nacional e o Banco Central (BC) realizam hoje uma nova operação de troca (swap) de títulos cambiais de prazo mais curto por papéis com vencimento mais longo. Esta é a terceira rolagem de dívida promovida pelo BC desde 14 de dezembro. Como há uma forte concentração de vencimentos de cambiais no terceiro trimestre, o governo tenta reduzir o risco de trocar todos os papéis no mesmo momento. Na última tentativa, dia 17, os resultados foram considerados positivos e todo o lote foi rolado, inclusive em condições melhores do que na primeira.Dados divulgados pelo Tesouro Nacional informam que, em 2001, o governo federal conseguiu alongar o prazo de seus títulos, cumprindo a meta estabelecida no Plano de Financiamento. A parcela da dívida com prazo de vencimento de no máximo 12 meses caiu para 25,59% do total. No final de 2000, esta parcela era de 42,35% e, em 1999, estava em 53,01%.Por outro lado, os dados não são bons se analisados sob o aspecto de crescimento da parcela da dívida vinculada ao dólar. No ano passado, para conter a forte escalada da moeda norte-americana, o tesouro nacional emitiu R$ 28,1 bilhões em papéis cambiais. Com isso, a participação destes papéis na dívida passou de 22,27% em 2000 para 28,61% em 2001. Outro ponto negativo: a dívida total do governo cresceu 22% em 2001 e atingiu R$ 624,08 bilhões no fim do ano - muito acima das previsões do Plano de Financiamento, que previa um volume de R$ 568,7 bilhões. Em julho de 1994, a dívida pública interna era de R$ 59,2 bilhões. Veja mais informações sobre os números divulgados pelo Tesouro Nacional no link abaixo.Argentina e Estados UnidosNo cenário internacional, a Argentina continua dando sinais de agravamento da crise. Continuam as manifestações da população contra as últimas medidas econômicas divulgadas pelo governo. Além disso, os técnicos do Fundo Monetário Internacional (FMI) rejeitaram o projeto de orçamento da Argentina para este ano. É fato que uma possível ajuda do Fundo depende de um orçamento equilibrado, o que parece estar mais longe de acontecer. Um agressivo editorial no jornal norte-americano The Wall Street Journal, em sua edição de ontem, comparou a situação argentina com a de uma "república de bananas" e qualificou as últimas medidas econômicas do país como "loucas". O editorial afirma que a opção da Argentina de seguir os passos do Haiti é problema dela e, até que volte a respeitar o direito das pessoas que fizeram seus depósitos em dólar e agora vão poder resgatar apenas pesos por uma taxa de câmbio desfavorável e irreal, deve ser tratada "como qualquer outra república de bananas. Veja mais informações no link abaixo.Nos Estados Unidos, foi divulgado o número de pedidos de auxílio desemprego feitos na semana passada. O resultado indicou uma queda de 15 mil pedidos. O número esperado pelos analistas era de um aumento de 16 mil pedidos. O resultado pode favorecer a abertura dos negócios no mercado norte-americano.Veja os números do mercado financeiroOntem o Comitê de Política Monetária (Copom) decidiu pela manutenção da Selic, a taxa básica de juros da economia em 19% ao ano, o que já era esperado pelos analistas. Às 11h30, os contratos de swap (troca) de títulos prefixados por pós-fixados com período de um ano pagavam juros de 20,07% ao ano, frente a 19,77% ao ano ontem. O dólar comercial está cotado a R$ 2,4060 na ponta de venda dos negócios, com queda de 0,08% em relação aos últimos negócios de ontem. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) opera com alta de 0,46%.Não deixe de ver no link abaixo as perspectivas dos analistas para a semana no mercado financeiro e as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.