Mercados: dólar fecha em queda e Bolsa recua

Depois do alerta do Banco Central (BC) sobre o otimismo exagerado dos mercados, os investidores voltaram a cogitar a possibilidade de manutenção das taxas de juros em patamares elevados em 2002. Alguns analistas já falam até mesmo em alta da Selic, a taxa básica de juros da economia, no próximo ano, caso a meta anual de inflação de 3,5% - com possibilidade de alta ou baixa de dois pontos porcentuais - seja ameaçada (veja mais informações no link abaixo).No mercado de juros, a correção desta tendência fez com que as taxas registrassem alta ao longo do dia. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - fecharam o dia pagando juros de 20,500% ao ano, frente a 20,200% ao ano ontem.No mercado de câmbio, as cotações permaneceram em queda. O dólar comercial encerrou o dia cotado a R$ 2,4720 na ponta de venda dos negócios, com baixa de 0,32% em relação às últimas operações de ontem. O único momento de alta foi registrado quando os investidores receberam a notícia veiculada pelo jornal argentino Clárin, informando que o Fundo Monetário Internacional (FMI) estaria pressionando a Argentina a abandonar a paridade cambial e adotar o câmbio flutuante. Segundo apurou o editor Renato Martins, a informação foi do próprio ministro da Economia Domingo Cavallo em conversa com líderes empresariais argentino (veja mais informações no link abaixo).O FMI não confirmou as informações e, por enquanto, ainda não se pronunciou sobre a possibilidade de adiantamento da parcela de recursos, prevista para dezembro, de US$ 1,260 milhão. A intenção do governo argentino é usar estes recursos para pagamento de dívidas que vencem ainda este mês e, caso este valor não seja antecipado, o governo argentino já anunciou que poderá usar o dinheiro das reservas internacionais. Para os investidores, este é maios um fator de desconfiança em relação ao país vizinho.Na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), os negócios terminaram em queda de 1,14%. A possibilidade de manutenção dos juros em patamares elevados reduziu, em parte, o otimismo dos investidores com a retomada dos negócios no mercado de ações. A Bovespa também foi influenciada pelo mercado acionário norte-americano. Inesperadamente, o índice de confiança do consumidor norte-americano caiu em novembro para 82,2 - de 85,3 registrado em outubro. O mercado acionário em Nova York reagiu mal, mas já recuperou parte da queda. Às 18h20, o Dow Jones - Índice que mede a variação das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - estava em queda de 0,96%, e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York - operava com queda de 0,17%.Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.