Mercados: dólar mantém queda e Bolsa sobe

Os mercados tiveram uma manhã mais tranqüila. Apesar de não haver novidades importantes nos cenários interno e externo, o dólar operou a maior parte da manhã em queda no mercado à vista. Os especialistas afirmam que as incertezas sobre a guerra contra o Iraque, o desempenho das economias desenvolvidas e o futuro político e econômico brasileiro permanecem as mesmas. Porém ressaltam que fatores técnicos que pressionaram as cotações nos últimos dias saíram de cena hoje e estão permitindo um ajuste do dólar para baixo. O mais importante desses fatores é o vencimento de US$ 1,5 bilhão de títulos e papéis cambiais de hoje, que não será rolado e terá a liquidação feita com base na ptax de ontem - a taxa média das operações no dia. Segundo especialistas, a tentativa de formar uma ptax alta, interessante para quem está com posição na dívida cambial que está vencendo, foi - ao lado do quadro eleitoral e do cenário externo - um dos principais motivos da alta do dólar e do aumento do giro para cerca de US$ 1,2 bilhão, registrados ontem. Hoje esse movimento deixou de existir. No início da tarde, foi divulgada a ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), realizada na semana passada. De acordo com o documento, a pressão da alta do dólar sobre os índices de inflação, as incertezas com relação ao mercado internacional e a preocupação quanto ao futuro da política econômica do País, a partir de 2003, foram as principais justificativas para a manutenção da Selic, a taxa básica de juros, em 18% ao ano (veja mais informações no link abaixo).Veja os números dos mercadosÀs 15h05, o dólar comercial estava cotado a R$ 3,6900 na ponta de venda dos negócios, em baixa de 2,38% em relação aos últimos negócios de ontem. A moeda norte-americana oscilou entre a máxima de R$ 3,7900 e a mínima de R$ 3,6700. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) opera em alta de 1,79%. No mercado de juros, os contratos futuros de DI, negociados na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), com vencimento em janeiro do próximo ano, pagam taxa de 21,850% ao ano, frente a 22,120% ao ano negociados ontem.Em Nova York, o Dow Jones - Índice que mede a variação das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - apresenta alta de 2,46%, e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York - apresenta alta de 3,40%. Na Argentina, o índice Merval, da Bolsa de Valores de Buenos Aires, está em alta de 0,97%. Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.