Mercados: dólar mantém queda e Bolsa sobe

Os mercados continuam atentos às incertezas do cenário interno e externo, mas hoje o dia foi de instabilidade e nervosismo menores. No mercado cambial, o movimento de maior demanda por dólares verificado ontem não se repetiu. O comportamento da moeda norte-americana hoje mostrou que a forte escalada das cotações ontem foi atípica e aconteceu em função do vencimento de títulos cambiais que não foram renovados pelo Banco Central (BC). "Com isso, as instituições e investidores, que ficariam com reais em carteira, passaram a comprar dólares no mercado à vista, o que pressionou para cima as cotações. Hoje, sem esse movimento de hedge, o dólar recuou", afirma o estrategista da Unibanco Asset Management (UAM), Marco Sudano. Segundo ele, uma outra concentração de vencimentos de títulos cambiais deve acontecer no dia 1º de outubro e, dependendo da estratégia do BC, um novo momento de alta pode acontecer. No cenário político, a pesquisa de intenções de voto divulgada ontem não comprovou o empate técnico entre o candidato do PSDB, José Serra, e do PSB, Anthony Garotinho, o que agradou os investidores. Sudano avalia que o comportamento dos mercados internacionais, que estiveram mais calmos hoje, também contribuíram para o menor nervosismo interno. Veja os números dos mercadosO dólar comercial encerrou o dia cotado a R$ 3,6650, no patamar mínimo do dia, com uma variação negativa de 3,04% em relação aos últimos negócios de ontem. No pior momento dessa quarta-feira, a moeda norte-americana foi vendida a R$ 3,7900. Com o resultado de hoje, o dólar registra uma alta de 21,76% em setembro e de 58,25% no acumulado do ano.A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) também teve um dia de pequena recuperação. O Ibovespa - índice que mede a valorização das ações mais negociadas na Bolsa - encerrou a quarta-feira em alta de 0,86%, mas mantém-se abaixo dos 10 mil pontos. As maiores altas foram das ações preferenciais (PN, sem direito a voto da Inepar (12,73%), as ordinárias (ON, com direito a voto) da Embratel Participações (12,37%) e Telesp Celular Participações (10,00%). Já a maior queda foi apurada pelas ações ordinárias da Petrobrás (- 3,34%)No mercado de juros, os contratos de DI futuro com vencimento em janeiro de 2003 pagaram taxas de 21,800% ao ano, frente a 21,720% ao ano ontem. Os contratos futuros com vencimento em abril apresentaram juros de 24,200% ao ano, frente a 24,130% ao ano ontem.Em Nova York, o Dow Jones - Índice que mede a variação das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - fechou em queda de 2,07% e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York - encerrou o dia em alta de 3,39%. Na Argentina, o índice Merval, da Bolsa de Valores de Buenos Aires, fechou em alta de 0,77%.Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.