Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Mercados: dólar volta a subir

As denúncias contra o presidente do Senado Jader Barbalho refletem de modo pontual no mercado hoje. Porém, mais importante do que esse fato são as incertezas em relação às perspectivas econômicas oara a Argentina, os efeitos da crise de racionamento de energia no Brasil e a possibilidade de eleição de um candidato de oposição ao cargo de presidente da República em 2002.O cenário inspira cautela por parte dos investidores. Sem notícias positivas que possam reverter as projeções para queda do investimento direto para o País, o saldo deficitário para a balança comercial e pressão sobre os índices de inflação, os investidores que têm dólares em carteira como forma de segurança (hedge) não se desfazem do ativo. Com isso o dólar voltou a subir hoje depois de três dias consecutivos de baixa. Há pouco estava cotado a R$ 2,3770 na ponta de venda dos negócios - alta de 0,76% em relação aos últimos negócios de sexta-feira. Os juros seguiram a mesma tendência negativa e registraram alta durante a manhã. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - pagam juros de 20,497% ao ano, frente a 20,250% ao ano registrados na sexta-feira. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) está em queda de 0,78%.Mercado internacionalEm Nova York, as bolsas operam em baixa. O Dow Jones - índice que mede a variação das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - está em queda de 0,79%, e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York - registra baixa de 2,85%. Na Argentina, o índice Merval da Bolsa de Valores de Buenos Aires opera em queda de 1,39%.Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.