Mercados em compasso de espera

Os mercados operaram hoje em compasso de espera em relação às decisões a respeito das taxas de juros no Brasil e nos Estados Unidos. Amanhã, às 15:15 (horário de Brasília), será divulgado o resultado da reunião do Fed - banco central norte-americano. Analistas esperam a manutenção dos juros em 6,5% ao ano. Na quarta-feira, o Conselho de Política Monetária (Copom) anunciará o resultado de sua reunião, o novo patamar da taxa básica de juros, a Selic, atualmente em 16,5%. O mercado, antes bastante otimista - prevendo queda de um ponto porcentual -passou a dividido desde sexta-feira. Parte dos analistas sustenta agora que o Copom deve manter as taxas estáveis, enquanto que outros ainda apostam em uma queda de meio ponto porcentual. Veja matéria a respeito no link abaixo. Com essa reversão nas expectativas, os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano -fecharam pagando juros de 17,180% ao ano, frente a 17,200% ao ano ontem.Apreensão em relação à Argentina e petróleoA cautela dos investidores também refletiu o feriado de hoje na Argentina, depois das más notícias da semana passada. Amanhã serão divulgados dados sobre a produção industrial daquele país. Além disso, o preço do Petróleo não pára de subir. Hoje, o barril do petróleo tipo Brent para entrega em novembro fechou negociado a US$ 30,09, uma alta acumulada de 13,80%, desde 31 de julho, quando se iniciou a tendência. A alta do petróleo pode pressionar a balança comercial brasileira e a inflação, tanto aqui como nos EUA, podendo pressionar os juros nos países importadores. E o dólar fechou em R$ 1,8220, com alta de 0,22%.Bons resultados em Nova York e boas notícias não animam a BolsaA Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou em queda de 1,33 %, apesar dos bons resultados das bolsas norte-americanas. Os mercados nos EUA prevêem que os juros permanecerão estáveis e que o Fed não alterará as taxas depois da reunião de amanhã devido às eleições presidenciais de 7 de novembro. O Dow Jones - Índice que mede as ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - fechou em alta de 0,30%, e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York - fechou em alta de 0,58%. Ainda assim, foram divulgados dados sobre a balança comercial das três primeiras semanas de agosto, com superávit de US$ 39 milhões no mês e US$ 1,248 bilhões acumulados no ano. Também foram bem recebidas as notícias a respeito da queda acima do previsto no déficit em transações correntes do governo e da indicação do novo diretor de Política Econômica, Ilan Goldfajn, em substituição do demissionário Sérgio Werlang.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.