Mercados em compasso de espera

O clima de cautela e incertezas no mercado financeiro permanece. O desaquecimento econômico mundial, com risco de uma recessão norte-americana, é uma das prováveis conseqüências dos ataques terroristas aos Estados Unidos, mas não há certeza sobre este cenário.Há quem acredite que, ao contrário, as economias dos países poderiam reagir de forma positiva, ampliando os investimentos em setores importantes em períodos de guerra, como o de alimentos e o de materiais bélicos. Mas as incertezas ainda são muitas e poucos são os especialistas que traçam perspectivas para médio e longo prazo.Para os países emergentes, há a certeza de que um desaquecimento forte da economia mundial terá um impacto muito mais profundo, já que a dependência de capital externo é grande. Para o Brasil, espera-se também uma queda nas exportações, o que piora o desempenho da balança comercial, diminuindo ainda mais a entrada de dólares no País.Veja os números do mercado O dólar comercial para venda está cotado a R$ 2,6780, com alta de 0,37%. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - pagam juros de 23,650% ao ano, frente a 24,000% ao ano ontem. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) está em alta de 1,03%. Nos Estados Unidos, o Dow Jones - Índice que mede a variação das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - registra alta de 0,67%, e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York - opera com alta de 0,54%. O índice Merval da Bolsa de Valores de Buenos Aires opera com alta de 1,17%. Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e o prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.