Mercados em compasso de espera

O mercado financeiro começa a semana atento à situação argentina e à próxima decisão do Federal Reserve (Fed, o Banco Central dos Estados Unidos) sobre os juros norte-americanos. O governo do país vizinho anuncia novas medidas para as restrições bancárias no sábado e o objetivo do presidente Eduardo Duhalde é conter os ânimos exaltados da população.No cenário interno, o que atrai a atenção dos investidores nesta manhã é o saldo da balança comercial. Na quarta semana do mês, o saldo está positivo em US$ 46 milhões. Com isso, o saldo da balança comercial em janeiro acumula um superávit de US$ 58 milhões. No ano passado, o acumulado final do mês de janeiro apresentou um saldo negativo em US$ 478 milhões.Amanhã, a inflação no Brasil pode voltar a mexer com os negócios no mercado financeiro. Será divulgado o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) referente à terceira semana de janeiro. O comportamento da inflação tem sido acompanhado de perto pelos analistas, pois a definição das taxas de juros toma por base o cumprimento das metas de inflação. Neste ano, a meta é de 3,5% ao ano, com possibilidade de alta ou baixa de dois pontos porcentuais. Veja os números do mercado financeiroÀs 11h02, o dólar comercial está cotado a R$ 2,4220 na ponta de venda dos negócios, com alta de 0,37% em relação aos últimos negócios de sexta-feira. Os contratos de swap (troca) de títulos prefixados por pós-fixados com período de um ano pagam juros de 20,15% ao ano, frente a 20,08% ao ano. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) opera com alta de 0,39%.Não deixe de ver no link abaixo a perspectiva dos analistas para a semana no mercado financeiro e as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.