Mercados em compasso de espera

Os mercados reajustaram seus números depois do forte pessimismo que tomou conta dos negócios. A preocupação com os rumos da campanha eleitoral à Presidência da República continua, mas a reação verificada ontem foi tida como exagerada, o que motivou o ajuste por parte dos investidores. Além disso, alguns fatores pontuais contribuíram para a melhora.No mercado de câmbio a queda da taxa de risco País e um anúncio feito ontem pelo Banco Central (BC) contribuíram para o recuo das cotações da moeda norte-americana, que há pouco era negociada a R$ 2,4170 na ponta de venda dos negócios, em baixa de 0,17% em relação aos últimos negócios de ontem. Já a taxa de risco País voltou a ficar abaixo dos 900 pontos base.No final da segunda-feira, o BC anunciou que as operações para proteção cambial feitas por swap (troca) de títulos poderá ser feita sem que o investidor seja obrigado a comprar papéis com juros pós-fixados (LFTs). Anteriormente à esta decisão, os investidores que queriam apenas a proteção cambial tinham que obrigatoriamente comprar LFTs e trocar o rendimento com estes papéis pelos títulos com correção em dólar. A decisão do BC agradou os investidores que reagiram de forma positiva.No mercado de juros, os contratos de DI futuro com vencimento em janeiro negociados na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) pagavam taxas de 19,040% ao ano, frente a 19,110% ao ano negociados ontem. Já a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) operava em alta de 0,44%. Para a Bolsa, a notícia positiva foi que a Merrill Lynch informou em relatório divulgado ontem que o Brasil continua a ser o mercado de ações favorito da corretora este ano na América Latina.Momento ainda é de cautelaApesar do comportamento mais tranqüilo nesta manhã, os investidores continuam cauteloso. O fato de o governo estar conseguindo, aparentemente, delimitar a repercussão das denúncias envolvendo o ex-tesoureiro do pré-candidato pelo PSDB José Serra ajuda a diminuir a instabilidade nos mercados. Porém, os investidores continuam atentos ao desenrolar do quadro eleitoral.Serra começou ontem uma nova rodada de programas de TV e, caso perca o segundo lugar nas pesquisas, os mercados devem voltar a apresentar reações negativas. Também há muita pressão para a retirada da candidatura do tucano parecem crescer. Hoje, o PFL elevou o tom ao divulgar nota pedindo a substituição do candidato.Mercados internacionaisO Banco Central dos Estados Unidos (Fed) acabou de decidir pela manutenção dos juros em 1,75% ao ano e a tendência para as taxas continua neutra. As bolsas em Nova York operam em alta. O Dow Jones - Índice que mede a variação das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - está em alta de 0,97%, e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York - registra alta de 0,61%.Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

Agencia Estado,

07 de maio de 2002 | 15h18

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.