Mercados esperam Copom atentos à Argentina

O mercado financeiro no Brasil manteve-se em equilíbrio durante a manhã, monitorando a situação argentina. A única novidade é a chegada hoje a Buenos Aires da segunda missão técnica do Fundo Monetário Internacional (FMI) com o objetivo de analisar as finanças públicas. Este fato tem sido interpretado como um sinal positivo pelos analistas, pois indica a possibilidade de apoio técnico e de uma possível liberação de recursos. Por outro lado, as declarações da vice-diretora-gerente do Fundo, Anne Krueger, não são muito animadoras. Ela disse que, embora seja cedo para especular sobre o provável montante de ajuda a Argentina, um pedido de US$ 15 bilhões pelo governo do país seria bastante elevado, diante do atual grau de exposição do FMI na Argentina, de cerca de US$ 20 bilhões. Seja qual for o valor, é certo que o apoio do Fundo vai depender de um programa econômico sustentável, medidas para recuperar o sistema bancário, orçamento equilibrado e a negociação com os credores. No cenário interno, os investidores permanecem atentos à reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), que vai reavaliar a Selic - a taxa básica de juros da economia. O resultado da reunião, que começa hoje, será divulgado amanhã, após o fechamento dos mercados.A Selic está em 19% ao ano desde julho do ano passado e a expectativa dos analistas é de que o Comitê mantenha os juros neste patamar. Os principais motivos para a cautela do Copom, segundo os analistas, são os sinais de alta sobre a inflação e das incertezas no cenário externo, que podem provocar uma alta das cotações do dólar, impactando novamente sobre os índices inflacionários. Veja os números do mercado financeiroÀs 14h55, o dólar comercial estava cotado a R$ 2,3760 na ponta de venda dos negócios, com alta de 0,08% em relação aos últimos negócios de ontem. No mercado de juros futuros, os contratos de swap (troca) de títulos prefixados por pós-fixados com período de um ano pagam juros de 20,07% ao ano, frente a 20,05% ao ano ontem.A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) foi muito influenciada pela instabilidade nas bolsas em Nova York, além do baixo volume de negócios. Há pouco, a Bovespa registrava baixa de 1,17%, com volume de R$ 150,8 milhões, apontando para o encerramento dos negócios ao redor de R$ 350 milhões. Em Nova York, o Dow Jones - Índice que mede a variação das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - está em alta de 0,12%, e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York - opera com queda de 1,30%. Em Buenos Aires, o índice Merval está em baixa de 4,92%.Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.