Mercados esperam Copom atentos aos EUA

Em dia de reavaliação da Selic, a taxa básica de juros da economia, o mercado financeiro começa o dia com a divulgação do Índice de Preços ao Consumidor (IPC) referente à segunda quadrissemana de fevereiro. O resultado apurado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) revelou uma alta de 0,30%. Na primeira quadrissemana, o Índice verificou uma alta de 0,34%.A previsão dos analistas era de um resultado entre 0,13% e 0,30%, segundo apurou ontem o editor Francisco Carlos de Assis. Ou seja, o resultado ficou no teto do que era esperado pelo mercado. Mas, o que de fato pode pesar de forma negativa, é alta verificada no grupo Alimentação. Isso porque se esperava uma deflação neste grupo ainda neste mês, o que favoreceria um recuo dos índices de inflação. Na segunda quadrissemana este item registrou alta de 0,85% contra 0,75% na primeira prévia do mês. Estes números devem fortalecer a corrente dos analistas que esperam a manutenção da Selic no patamar atual, de 19% ao ano. Esta decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) será conhecida hoje, após o fechamento dos mercados. A Selic está neste patamar desde junho do ano passado. Vale destacar que a política monetária do governo é definida pelo cumprimento da meta de inflação que, neste ano, é de 3,5% com possibilidade de alta ou baixa de dois pontos porcentuais.Ainda hoje será divulgado no Brasil outro índice de inflação. Trata-se da segunda prévia do Índice Geral dos Preços do Mercado (IGP-M) calculado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Este índice é formado por três indicadores de inflação, também apurados pela FGV. São eles: o Índice de Preços no Atacado (IPA), Índice de Preços ao Consumidor (IPC) e Índice Nacional do Custo da Construção (INCC).Nos Estados Unidos, hoje também é dia de divulgação de números relacionados à inflação. Às 10h30 (horário de Brasília), o Departamento do Trabalho divulga o índice de preços ao consumidor (CPI) de janeiro. A previsão média de 19 economistas ouvidos em pesquisa Dow Jones é uma alta de 0,3%. O ritmo econômico norte-americano continua dando sinais de reaquecimento. Uma inflação dentro do espera, ou até mesmo um pouco acima, seria mais um sinal neste sentido. As bolsas de Nova York permanecem no foco de atenção pelos investidores. Além da desconfiança com a contabilidade das empresas, a supervalorização das ações tem impedido uma recuperação das bolsas, apesar dos sinais mais positivos para a economiaMercados fecharam tranqüilos ontemOs números do mercado financeiro nesta terça-feira refletem um momento de tranqüilidade dos investidores. Não há fatos novos na Argentina que piorem o humor dos investidores. O presidente Eduardo Duhalde tenta convencer os governadores de províncias a implementar planos rigorosos para o corte de gastos. Esta é a principal condição para que o Fundo Monetário Internacional (FMI) libere novos recursos.Ainda não há um acordo final sobre a questão. Diante disso, o Parlamento do país decidiu adiar o debate e a votação do orçamento nacional, segundo apurou o correspondente Ariel Palacios. O orçamento, que seria levado ao plenário hoje, só deve entrar na pauta de discussões amanhã (veja mais informações no link abaixo).Os investidores também receberam ontem a notícia do fim do racionamento de energia no Brasil. O presidente Fernando Henrique Cardoso anunciou que isso deve acontecer a partir do dia 1º março, mas, tanto ele como os ministros Pedro Parente e José Jorge, não quiseram assegurar que um novo racionamento está descartado. Apesar de contribuir para o clima de tranqüilidade nos mercados, a notícia não chegou a influenciar os negócios, pois já vinha sendo antecipada pelo próprio governo central há alguns dias (veja mais informações no link abaixo). Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.