Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Mercados esperam decisão do FED

Os mercados operaram ontem em compasso de espera, com pouquíssimas alterações nas cotações dos papéis na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) e dólar. Ambos os mercados operaram com estabilidade. A exceção foi no mercado de juros, que continua apresentando quedas. Sem grandes novidades no noticiário, continuam prevalecendo as boas condições da economia brasileira, com crescimento econômico e inflação em queda, além de disciplina do governo nas contas públicas.Hoje inicia-se a reunião do FED - banco central norte-americano -, que fixará a taxa de juros básica, atualmente em 6% ao ano. A maioria dos investidores aposta numa queda de 0,5 ponto porcentual, mas não será surpresa se a queda restringir-se a 0,25 ponto porcentual. Uma decisão mais conservadora, porém, poderia trazer algum pessimismo aos mercados. O FED divulga a taxa amanhã.No Brasil, a percepção é que ainda há condições para quedas maiores nos juros internos. Um corte nos juros norte-americanos propicia ainda mais uma redução da Selic, a taxa básica de juros brasileiros. A expectativa dos investidores é que os juros fechem o ano em, no máximo, 14% ao ano. Atualmente, a Selic está fixada em 15,25% ao ano. O Comitê de Política Monetária realiza sua próxima reunião mensal nos dias 13 e 14 de fevereiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.