Mercados esperam equipe de transição

A vitória de Luiz Inácio Lula da Silva foi recebida com tranqüilidade pelos investidores ontem. O fato já havia sido antecipado e as cotações já revelavam um clima menos pessimista, com a pequena recuperação da semana passada. Hoje, o fato mais relevante será a divulgação dos nomes da equipe petista que fará a transição de governo.No mercado, é claro que esses nomes não serão os mesmos da equipe definitiva que governará o Brasil nos próximos quatro anos, e devem estar principalmente na cúpula do PT. Mas serão certamente bem-vindos quadros técnicos, especialmente da área econômica de fora do partido com boa aceitação dentre os investidores. Nesse momento, qualquer sinal que possa vir a ser interpretado como indicação das políticas do novo governo será observado com atenção e pode influenciar os negócios. Na mesma medida, será avaliado o sucesso do PT no Congresso em desobstruir a pauta nesse final de legislatura para votar projetos importantes, como a reforma tributária, previdenciária e a reforma do artigo 192 da constituição federal, que trata do setor financeiro.De qualquer forma, agradaram, ainda que sem afetar diretamente os negócios, os repetidos pronunciamentos reiterando os compromissos do novo governo com a estabilidade econômica, inflação baixa, cumprimento de contratos e administração austera.Por outro lado, o que agitou o mercado ontem foram os boatos de dificuldades financeiros da Globo Participações, holding controladora das Organizações Globo. À noite, a empresa divulgou nota informando que pode vir a reestruturar suas dívidas, por conta dos desequilíbrios causados pela desvalorização do real nos últimos meses. As ações da Globocabo despencaram 14,81%, afetando os demais papéis de empresas com problemas em honrar seus compromissos.Ainda não se percebe muita agitação no mercado de câmbio em função do vencimento cambial da próxima sexta-feira, dia 1o de novembro. Os últimos vencimentos foram cercados de muita especulação e altas do dólar, mas um clima de maior tranqüilidade com o governo Lula pode facilitar a rolagem dos papéis, o que faz deste o chamado primeiro grande teste de confiança da nova administração.MercadosO dólar comercial foi vendido a R$ 3,7800 nos últimos negócios do dia, em alta de 1,34% em relação às últimas operações de sexta-feira. No mercado de juros, os contratos de DI futuro com vencimento em janeiro de 2003 negociados na Bolsa de Mercadorias & Futuros pagam taxas de 23,400% ao ano, frente a 23,270% ao ano sexta-feira. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou em queda de 4,40% em 9573 pontos.O Dow Jones - Índice que mede a variação das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - fechou em queda de 0,90% (a 8368 pontos), e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York - caiu 1,15% (a 1315,83 pontos). O euro fechou a US$ 0,9846; uma alta de 0,89%. Na Argentina, o índice Merval, da Bolsa de Valores de Buenos Aires, fechou em baixa de 0,73% (440,88 pontos). Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.