Mercados estáveis apesar de medidas do BC

Não houve muita variação nas cotações hoje, mesmo com as medidas definidas ontem à noite pelo Banco Central de restrição às operações no mercado de câmbio. O governo também antecipou, agora com sucesso, a rolagem de parte dos títulos cambiais com vencimento na semana que vem. O Banco Central ampliou de 50% para 75% a reserva em reais das instituições financeiras sobre aplicações cambiais. Os bancos que estiverem acima do novo limite devem desfazer-se de sua exposição ou aumentar o seu capital, o que é mais difícil, em cinco dias úteis. Com isso, deve haver venda de dólares, amenizando as pressões sobre as cotações. Mas esse prazo dá alguma flexibilidade para que a desova seja pulverizada, e há muitos agentes interessados em antecipar compras.No setor privado, estima-se que haja a necessidade de remeter US$ 2 bilhões em obrigações neste mês, em que também vencem US$ 4,7 bilhões em títulos públicos nos dias 17 e 23. A concentração de vencimentos, e a especulação que os cerca tendem a pressionar muito o dólar. De qualquer forma, o governo conseguiu antecipar, depois da tentativa fracassada de sexta-feira, a rolagem de cerca de US$ 600 milhões do maior vencimento, o do dia 17.Até agora, o efeito do segundo turno sobre os negócios não tem se sobressaído. As expectativas dos investidores vêm se confirmando e as chances de vitória de José Serra (PSDB/PMDB), o favorito do mercado, são pequenas. A movimentação dos candidatos é em torno de alianças e o horário eleitoral, pesquisas e debates, que podem trazer compromissos de política econômica, impactando mais os negócios, ainda não começaram.MercadosO dólar comercial foi vendido a R$ 3,7300 nos últimos negócios do dia, em baixa de 0,13% em relação às últimas operações de ontem, oscilando entre R$ 3,6700 e R$ 3,7350. Com o resultado de hoje, o dólar acumula uma alta de 61,05% no ano e 18,04% nos últimos 30 dias.No mercado de juros, os contratos de DI futuro com vencimento em janeiro de 2003 negociados na Bolsa de Mercadorias & Futuros pagam taxas de 20,400% ao ano, frente a 20,300% ao ano ontem. Já os títulos com vencimento em julho de 2003 têm taxas de 25,500% ao ano, frente a 25,430% ao ano negociados ontem.A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou em queda de 0,19% em 8846 pontos e volume de negócios de R$ 431 milhões. Com o resultado de hoje, a Bolsa acumula uma baixa de 34,85% em 2002 e 8,95% nos últimos 30 dias. Das 50 ações que compõem o Ibovespa - índice que mede a valorização das ações mais negociadas na Bolsa -, o número de altas e baixas equilibrou-se. Mercados internacionais Em Nova York, o Dow Jones - Índice que mede a variação das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - fechou em alta de 1,06% (a 7501,5 pontos), e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York - subiu 0,88% (a 1129,21 pontos). Às 18h, o euro era negociado a US$ 0,9786; uma queda de 0,42%. Na Argentina, o índice Merval, da Bolsa de Valores de Buenos Aires, fechou em baixa de 0,47% (401,47 pontos). O dólar oficial para venda fechou em $ 3,71 pesos.Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.