Mercados estáveis em clima de cautela

O clima de cautela nos mercados permanece, porém a instabilidade diminuiu um pouco durante a manhã, com a alta das bolsas em Nova York e o leilão de NBC-E (títulos cambiais) no mercado interno. A decisão tomada pelo governo na sexta-feira de elevar o compulsório para depósitos à prazo - de zero para 10% - favoreceu a queda nas cotações do dólar. Por outro lado, ao diminuir o volume de recursos, a medida também favoreceu a um aumento das taxas de juros no mercado interbancário.Às 14h50, o dólar comercial está cotado a R$ 2,7690 na ponta de venda dos negócios, com queda de 2,33%. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) opera com alta de 1,24%. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - pagam juros de 25,600% ao ano, frente a 24,550% ao ano na sexta-feira.O índice Merval da Bolsa de Valores de Buenos Aires opera com alta de 4,07%. Nos Estados Unidos, o Dow Jones - Índice que mede a variação das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - está em alta de 3,77%, e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York - registra alta de 4,66%.Equipe econômica discute alta do dólarO presidente Fernando Henrique Cardoso deve reunir-se no final desta tarde com a equipe econômica do governo. A forte pressão de alta sobre o dólar é a pauta das discussões. Os analistas não esperam por mudanças significativas. Segundo apurou o editor Fredy Krause, o ministro da Fazenda, Pedro Malan, afirmou, por meio de sua Assessoria de Imprensa, que considera "descabidas e sem qualquer fundamento" as falsas notícias de que o governo estaria estudando a adoção de qualquer medida de controle do câmbio".Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.