Mercados: EUA e Turquia geram apreensão

A confirmação de pressão inflacionária na economia norte-americana em janeiro provocou uma reação negativa nos mercados durante a manhã. O Índice de Preços ao Consumidor (CPI) ficou em 0,6%, quando os analistas esperavam um resultado máximo em 0,3% (veja mais informações no link abaixo). Também a informação de que a agência de classificação de risco Standard & Poor´s colocou os ratings da dívida da Turquia em observação, com possibilidade de rebaixamento, deixou os investidores apreensivos. A Turquia é um país emergente, assim como o Brasil. A instabilidade assusta os investidores, o que provoca uma migração de recursos para países com baixo risco.No mercado de câmbio, isso é percebido por uma alta nas cotações. Os investidores aumentam a compra de dólares, ou seja, fazem operações de hedge - segurança. No início da tarde, a moeda norte-americana estava cotada a R$ 2,0320 na ponta de venda dos negócios - alta de 1,04% em relação aos últimos negócios de ontem. Acompanhando a mesma tendência negativa, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) opera em baixa de 1,79%. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - pagando juros de 16,530% ao ano, frente a 16,270% ao ano registrados ontem.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.