Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Mercados europeus recuam com temores sobre dívida italiana

As bolsas de valores da Europa encerraram a segunda-feira em queda, com preocupações sobre a dívida da Itália e o pedido de falência da MF Global levando investidores a embolsar lucros.

REUTERS

31 de outubro de 2011 | 15h01

O índice FTSEurofirst 300 fechou em queda de 1,82 por cento, aos 999 pontos.

No mês, houve alta de 8,3 por cento, a primeira elevação mensal desde abril e a maior desde julho de 2009.

A bolsa italiana foi destaque, com perda de 3,8 por cento, acompanhando a alta do rendimento do título de 10 anos do país acima de 6 por cento em meio à pressão para o governo conter os problemas de dívida.

"Os renovados temores sobre a dívida italiana são um sinal do nervosismo dos investidores. As medidas definidas durante a cúpula da semana passada, que falhou em reduzir os rendimentos italianos, precisam ter clareza e ser colocadas em prática rapidamente", disse Arnaud Poutier, co-diretor do IG Markets France.

O índice de ações dos bancos da zona do euro teve forte queda, impactado também pelo colapso da MF Global's.

O Deutsche Bank perdeu 8,2 por cento e o Société Générale caiu 9,4 por cento.

Em LONDRES, o índice Financial Times fechou em baixa de 2,77 por cento, a 5.544 pontos.

Em FRANKFURT, o índice DAX recuou 3,23 por cento, para 6.141 pontos.

Em PARIS, o índice CAC-40 caiu 3,16 por cento, para 3.242 pontos.

Em MILÃO, o índice Ftse/Mib encerrou em baixa de 3,82 por cento, a 16.017 pontos.

Em MADRI, o índice Ibex-35 registrou perda de 2,92 por cento, para 8.954 pontos.

Em LISBOA, o índice PSI20 teve desvalorização de 1,27 por cento, para 5.870 pontos.

(Por Blaise Robinson)

Tudo o que sabemos sobre:
BOLSAEUROPAFECHA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.