Mercados: expectativas positivas para 2001

O mercado financeiro brasileiro deve terminar o ano confirmando o otimismo com o cenário econômico interno e mantendo as apostas de que o ambiente seguirá positivo por todo o ano que vem. Além de acreditar que as variáveis internas serão favoráveis, os analistas avaliam que as condições no exterior devem melhorar. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) opera em alta de 0,06%. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - pagam juros de 16,710% ao ano, frente a 16,760% ao ano registrados ontem. O dólar comercial está cotado a R$ 1,9560 na ponta de venda dos negócios - queda de 0,20% em relação aos últimos negócios de ontem.No mercado de juros, a estimativa é de que 2001 chegará ao fim com a taxa básica de juros em 13% ao ano. As divergências entre os analistas dizem respeito ao ritmo da queda. Os que acreditam num movimento mais rápido vêem o desaquecimento norte-americano acontecendo de forma acelerada e prevêem queda de juro naquele país já na próxima reunião do banco central norte-americano (FED), no final de janeiro. Os mais cautelosos ainda falam em queda "durante o primeiro trimestre".Na Bovespa, o volume de negócios continua baixo. Na primeira parte do pregão, o volume de recursos negociado foi de R$ 220 milhões. Na análise do desempenho da Bolsa durante o ano, a perda acumulada é de 10,5%, bem diferente do verificado em 1999 - alta de 151,9% - e de 1998 - perda de mais de 33%. Mas, para os analistas, faltam ainda recursos para que esse mercado seja menos oscilante.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.