Mercados fecham mais tranqüilos

A Opep iniciou a operação de ampliação da produção de petróleo, especialmente pela Arábia Saudita, que é o único país da organização com capacidade ociosa. De qualquer forma, os preços não devem cair tanto. Segundo apurou a editora Patricia Lara, o impacto dos 500 mil barris extras é considerado débil por muitos analistas, uma vez que haverá maior oferta de petróleo pesado, enquanto a falta da variedade cru leve doce, um dos fatores por trás da escalada dos preços, tende a continuar. Os negócios com o petróleo bruto do tipo Brent para entrega em dezembro fecharam em queda de 0,39% em Londres, a US$ 30,75 por barril.A situação argentina também parece controlada, pelo menos no curto e médio prazo. O chefe da Assessoria Econômica do Ministério da Economia da Argentina, Guillermo Rozenwurcel, disse hoje que "há sinais importantes de que o tratamento do Orçamento no Congresso será rápido". O financiamento, anunciado semana passada, do déficit nas contas do governo para o ano também tranqüilizou os investidores.Bolsas dos EUA fecham em altaNos Estados Unidos, o vice-presidente do FED - banco central norte-americano-, Roger Feguson, afirmou que a instituição parece ter alcançado sucesso em provocar uma desaceleração no ritmo do crescimento da economia norte-americana sem interrompê-lo. O FED vinha elevando as taxas de juros para conter uma aceleração considerada excessiva da economia. Os mercados norte-americanos fecharam otimistas. O Dow Jones - Índice que mede as ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - fechou em alta de 1,40%, e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York - fechou em alta de 5,40%. Mas ainda é cedo para afirmar que essa alta de hoje indique alguma tendência clara, pois a Nasdaq vem oscilando há duas semanas alternando altas e quedas.Mercados brasileiros corrigiram cotaçõesEm função das boas notícias externas, o dia foi otimista nos mercados brasileiros, mesmo porque, com exceção da balança comercial, o cenário interno é positivo, com crescimento econômico e inflação controlada. O dólar fechou em R$ 1,9010, com queda de 0,63%. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) operou o dia inteiro em alta, caindo nos últimos 45 minutos do pregão, fechando em queda de 0,16%. E os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - fecharam o dia pagando juros de 17,620% ao ano, frente a 17,760% ao ano ontem.

Agencia Estado,

31 de outubro de 2000 | 18h59

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.