Mercados fecham semana apreensivos

Os mercados continuam pessimistas e reagindo mal ao cenário internacional. Apesar da recuperação parcial das bolsas norte-americanas, o humor dos investidores continua pautado pela perspectiva de guerra entre os Estados Unidos e o Iraque. Preocupam muito os efeitos de uma guerra no Oriente Médio, principalmente sobre os preços internacionais do petróleo, que seguem em alta.Os preços do petróleo continuaram em forte alta, chegando, inclusive à marca dos US$ 30 por barril na Bolsa Mercantil de Nova York. Enquanto isso, o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, vem fazendo contatos internos e externos para conseguir apoio para a guerra. O primeiro-ministro da Inglaterra, Tony Blair, encontra-se com ele amanhã em Washington. Na segunda-feira, será a vez do primeiro ministro do Canadá, Jean Chrétien. Os líderes da Rússia, China e França também foram procurados pela Casa Branca, mas não declararam nenhum tipo de apoio a Bush. Além das ofensivas diplomáticas, a imprensa norte-americana tem destacado a preparação logística das Forças Armadas dos Estados Unidos no Oriente Médio. O bombardeio na zona de exclusão iraquiana ontem foi um dos maiores dos últimos meses. Mas um dos piores focos de atenção é o aniversário dos ataques terroristas a Washington e Nova York na próxima quarta-feira. Os investidores continuam apreensivos, temendo novos atentados no dia 11 de setembro. Nesse mesmo dia vence US$ 1,9 bilhão em títulos cambiais. Em leilões ontem e hoje, o Banco Central já conseguiu renovar cerca de 50% dos papéis, e a pressão sobre as cotações que essas grandes operações exercem continuará na semana que vem.Mercados O dólar comercial foi vendido a R$ 3,1600 nos últimos negócios do dia, em alta de 0,25% em relação às últimas operações de ontem, oscilando entre R$ 3,1550 e R$ 3,1900. Com o resultado de hoje, o dólar acumula uma alta de 36,44% no ano e 1,44% nos últimos 30 dias.No mercado de juros, os contratos de DI futuro com vencimento em janeiro de 2003 negociados na Bolsa de Mercadorias & Futuros pagam taxas de 20,870% ao ano, frente a 20,740% ao ano ontem. Já os títulos com vencimento em julho de 2003 têm taxas de 23,800% ao ano, estável em relação a ontem.A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou em queda de 0,07% em 9716 pontos e volume de negócios fraco, de R$ 360 milhões. Com o resultado de hoje, a Bolsa acumula uma baixa de 28,44% em 2002 e 0,40% nos últimos 30 dias. Das 50 ações que compõem o Ibovespa - índice que mede a valorização das ações mais negociadas na Bolsa -, 15 apresentaram altas. Em Nova York, o Dow Jones - Índice que mede a variação das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - fechou em alta de 1,73% (a 8427,2 pontos), e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York - subiu 3,54% (a 1295,29 pontos). Às 18h, o euro era negociado a US$ 0,9817; uma alta queda de 0,97%. Na Argentina, o índice Merval, da Bolsa de Valores de Buenos Aires, fechou em baixa de 0,09% (370,02 pontos). Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.