Mercados: finalmente alguma melhora

A divulgação de que está na fase final o acordo de reestruturação da dívida de curto prazo argentina, estimada em cerca de US$ 25 bilhões, animou os mercados. Hoje o secretário de Finanças da Argentina, Daniel Marx, informou que o presidente Fernando de la Rúa assinou decreto que autoriza a operação. Ainda restam algumas etapas burocráticas, mas o anúncio oficial dos detalhes da renegociação da dívida deve ocorrer nos próximos dias.Os mercados reagiram bem ao anúncio, com recuperações nas cotações. Porém, vale lembrar que elas continuam em patamares muito pessimistas e, mesmo que a operação corra conforme as expectativas dos investidores, ainda restam muitos pontos nebulosos. O governo deve ser capaz de conquistar a confiança dos mercados a ponto de viabilizar uma queda significativa dos juros. Mesmo assim, ainda há muitos obstáculos estruturais à retomada do crescimento econômico, como o câmbio fixo sobrevalorizado. Também questiona-se a possibilidade de cumprimento das metas estabelecidas com o Fundo Monetário Internacional (FMI).Também deve ser anunciado na sexta-feira o plano de contenção do consumo de energia elétrica, mas hoje correu o boato de que, numa primeira fase, o governo tentará administrar a situação por meio de preços, sem recorrer a apagões. Isso minimizaria o impacto da crise, uma boa notícia para os investidores.A redução do juro básico dos Estados Unidos de 4,5% para 4% ao ano ontem alavancou as cotações nas bolsas de Nova York também hoje. O efeito nos mercados brasileiros foi pequeno, mas certamente contribuiu para a melhora dos humores no Brasil.Fechamento dos mercadosA Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou em alta de 3,43%. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - fecharam o dia pagando juros de 22,330% ao ano, frente a 22,750% ao ano ontem. O dólar comercial para venda fechou em R$ 2,3190, com queda de 0,94%. O índice Merval da Bolsa de Valores de Buenos Aires subiu 2,56%. Nos Estados Unidos, o Dow Jones - Índice que mede a variação das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - fechou em alta de 3,15%, e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York - fechou em alta de 3,88%. Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.