Mercados: Fraga e Argentina trazem otimismo

Apesar das fortes oscilações nas bolsas norte-americanas, que operam em baixa no momento, os mercados brasileiros reagiram com otimismo aos fatos do dia. No Brasil, o presidente do Banco Central, Armínio Fraga, falou sobre a possibilidade de redução dos juros. Na Argentina, o bom andamento da votação do orçamento de 2001 ajustado também animou os investidores.A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou em alta de 3,69%. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - fecharam o dia pagando juros de 17,670% ao ano, frente a 17,800% ao ano ontem. O dólar fechou em R$ 1,9750, com alta de 0,10%.Com as declarações de Fraga, começam os movimentos dos investidores em relação às expectativas quanto ao prazo e ritmo de redução dos juros. Os movimentos devem seguir a evolução dos principais condicionantes do atual marasmo dos mercados brasileiros: juros nos Estados Unidos, que devem começar a cair gradualmente no médio prazo, os preços internacionais do petróleo e a crise na Argentina. A aprovação do orçamento de 2001 pelo Senado demonstra o ritmo acelerado da implantação das medidas de ajuste, necessárias para a obtenção do pacote multilateral de ajuda econômica coordenado pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), o que agrada os investidores. Agora, o Senado discutirá os destaques do projeto, que deve ser enviado para votação final na Câmara amanhã. A expectativa é de anúncio do pacote na próxima terça-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.