Mercados: indeterminação traz pessimismo

Além da indefinição geral sobre os principais fatores que estão influenciando os mercados, as dificuldades de negociação do pacote argentino pelo presidente Fernando de la Rúa agravaram o pessimismo do mercado. As medidas de congelamento dos gastos públicos da união e das províncias por cinco anos, que pareciam estar próximas de um acordo, recuaram. Alguns governadores até assinaram o acordo, mas hoje houve um retrocesso geral, em especial dos governadores da oposição, e as negociações voltaram à estaca zero. Pior, o principal líder do Frepaso, partido que integra o governo, anunciou sua saída, em oposição a uma das medidas do pacote, a extinção da previdência social argentina. Também foi veiculado no noticiário que o Fundo Monetário Internacional (FMI) não enviará uma equipe técnica para discutir os detalhes iniciais do pacote multilateral de ajuda financeira, pois ele está condicionado à implantação das medidas de controle do déficit nas contas públicas anunciado há uma semana. A previsão do Fundo é de que o anúncio do empréstimo saia até o final de novembro.Também houve boatos a respeito do Paraguai, posteriormente desmentidos, de que o país decretaria moratória interna e externa por conta do déficit nas contas do governo, o que agitou os mercados no Brasil.Continua a batalha legal pela realização do leilão do Banespa na segunda-feira. Mesmo assim, o Safra anunciou sua desistência da compra. Com isso, restam ainda Bradesco, Itaú, Unibanco e o espanhol Santander, a maior esperança de uma entrada maciça de dólares. Porém, a previsão dos analistas é que o banco seja arrematado por um dos principais grupos nacionais, com ágio de até 150%.Nos Estados Unidos, as bolsas continuam sofrendo com a divulgação de resultados pouco animadores, em função do desaquecimento da economia. Contudo, a indefinição sobre o processo eleitoral do próximo presidente, que vinha trazendo incertezas aos mercados, pode estar se encaminhando para um desfecho. O juiz estadual Terry Lewis anunciou próximo às 13h (de Brasília) um parecer favorável à decisão da Secretária do Estado, Katherine Harris, de não considerar os votos recontados manualmente após quarta-feira. Os votos que faltam ser recontados pertencem a eleitores de redutos democratas, e poderiam por em risco a vitória por 300 votos de Bush sobre Gore pelas contas da secretária Harris. Mesmo que a batalha eleitoral não esteja encerrada, as decisões parecem favorecer Bush.Fechamentos dos mercadosA Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou em queda de 1,15%. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - fecharam o dia pagando juros de 17,910% ao ano, frente a 17,900% ao ano ontem. E o dólar fechou em R$ 1,9670, com alta de 0,82%%.O Dow Jones - Índice que mede as ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - fechou em queda de 0,24%, e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York - fechou em queda de 0,16%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.