Mercados: instabilidade menor e cautela

O mercado financeiro teve um dia mais tranqüilo. As perspectivas para a Argentina e o ritmo do desaquecimento da economia norte-americana ainda são incertos, mas os investidores privilegiaram as notícias positivas veiculadas nos últimos dias. A Argentina apresentou uma redução na arrecadação dos impostos, mas foi menor do que o esperado pelos analistas. Outro número positivo foi divulgado no final desta terça-feira pelo Banco Central da Argentina. As reservas internacionais do país somavam US$ 16,26 bilhões no dia 31 de agosto (sexta-feira passada), de US$ 16,22 bilhões no dia anterior. Nos Estados Unidos, os dados econômicos ainda não dão uma exata realidade sobre o ritmo da economia do país, mas o número divulgado hoje - índice nacional de atividade industrial (NAPM) referente ao mês de agosto - mostrou recuperação da atividade industrial, embora continue em retração. O índice subiu de 43,6 para 47,9 no mês passado, surpreendendo dos analistas, que esperavam por um número em 44,0.Fechamento dos mercadosO dólar comercial para venda fechou em R$ 2,5570, com queda de 0,35% em relação ao fechamento de ontem. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - fecharam o dia pagando juros de 22,400% ao ano, frente a 23,110% ao ano ontem. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou em queda de 0,27%.O índice Merval da Bolsa de Valores de Buenos Aires fechou em queda de 1,32%. Nos Estados Unidos, o Dow Jones - Índice que mede a variação das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - fechou em alta de 0,48%, e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York - fechou em queda de 1,92%. Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.