Mercados instáveis com incertezas externas

Sem novos fatos, que eram esperados pelos analistas nas revistas semanais, os conflitos políticos no Brasil perdem forças no início da semana no mercado financeiro. As atenções devem se concentrar no cenário externo, principalmente a Argentina. A expectativa é pela aprovação de mais um pacote econômico ainda essa semana - trata-se do 5º em 15 meses.Segundo reportagem do correspondente Vladimir Goitia, o economista Daniel Artana, secretário da Fazenda que toma posse hoje e passará a ser o braço direito do ministro da Economia, Ricardo López Murphy, faz um duro diagnóstico sobre a situação do país. O economista afirma que a política fiscal é a única forma para reduzir custos do setor privado na Argentina e fazer com que o país cresça. Mas, segundo o ministro, antes de crescer, o país precisa cortar seus gastos em valores entre US$ 1,2 bilhão e US$ 1,5 bilhão no gasto público.Em função das incertezas externas, a expectativa é por um dia de instabilidade no mercado financeiro. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) opera em queda de 0,35%. O dólar comercial está cotado a R$ 2,0540 na ponta de venda dos negócios - alta de 0,34% em relação aos últimos negócios de sexta-feira. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - pagam juros de 16,430% ao ano, frente a 16,290% ao ano registrados na sexta-feira.Veja mais perspectivas para o mercado financeiro durante a semana.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.