Stringer/Reuters
Stringer/Reuters

Covid-19

Bill Gates tem um plano para levar a cura do coronavírus ao mundo todo

Mercados internacionais apresentam tom otimista com alívio de tensões entre EUA e China

Negociadores de ambos os países conversaram por telefone após declarações polêmicas de Trump e deram novo ânimo aos investidores

Sergio Caldas e Luísa Laval, O Estado de S.Paulo

08 de maio de 2020 | 05h58
Atualizado 08 de maio de 2020 | 18h35

O cenário para os mercados internacionais nesta sexta-feira, 8, tem se mostrado positivo após conversa por telefone entre representantes das economias chinesa e norte-americana. Nesse cenário, tanto as bolsas da Ásia quanto da Europa fecharam em alta generalizada.

O vice-primeiro-ministro da China Liu He conversou por telefone com o representante comercial dos EUA, Robert Lighthizer, e com o secretário do Tesouro americano, Steven Mnuchin, segundo a agência de notícias estatal chinesa Xinhua. Os dois lados prometeram melhorar a cooperação nos âmbitos da saúde pública e da economia, e também criar condições favoráveis para que os países implementem o acordo comercial bilateral "de fase 1", assinado em janeiro. A ligação veio após o presidente dos EUA, Donald Trump, ameaçar interromper o acordo se a China não comprar bens e serviços americanos, como prometido.

Nas últimas semanas, também se intensificou uma polêmica entre Washington e Pequim sobre a origem do coronavírus. Para autoridades americanas, o surto teria começado devido a uma "falha" em um laboratório de Wuhan, cidade chinesa onde os primeiros casos da covid-19 foram registrados.

Ásia e Oceania

As Bolsas da Ásia tiveram um dia de ganhos. Na China continental o índice Xangai Composto subiu 0,83%, e o menos abrangente Shenzhen Composto avançou 1,17%. Em outras partes do continente, o japonês Nikkei se valorizou 2,56% em Tóquio, enquanto o Hang Seng avançou 1,04% em Hong Kong, o sul-coreano Kospi subiu 0,89% em Seul e o Taiex registrou ganho de 0,54% em Taiwan. Na Oceania, a bolsa da Austrália seguiu a onda positiva da Ásia, e o S&P/ASX 200 avançou 0,50% em Sydney.

Europa

O bom humor também se estendeu para as Bolsas da Europa, com o índice Stoxx 600 fechando em alta de 0,91%. Já o índice DAX avançou 1,35% na Bolsa de Frankfurt, enquanto em Paris, o CAC 40 subiu de 1,07%. Em Milão, o FTSE MIB teve ganho 1,13% e em Madri, o Ibex 35 subiu 0,78%. Em Lisboa, o PSI 20 avançou 0,42%.

Estados Unidos

As Bolsas de Nova York seguiram o movimento de ganho dos mercados internacionais. O Dow Jones fechou em alta de 1,91%, o S&P 500 subiu 1,69%e o Nasdaq avançou 1,58%. Na comparação semanal, os índices tiveram ganho de 2,56%, 3,50% e 6%, respectivamente. Ajudou o Nasdaq, a alta de 2,38% da Apple, que já anunciou a abertura de algumas lojas nos EUA, frente ao relaxamento das medidas de isolamento.

Petróleo

Além dos resultados positivos entre Estados Unidos e China, também favoreceu a alta da commodity nesta sexta a mudança abrupta da Arábia Saudita, que surpreendeu o mercado ao elevar os valores do barril de petróleo, em uma clara sinalização ao fim da guerra de preços com a Rússia.

Em resposta, o WTI para julho, referência no mercado americano, fechou em alta de 5,39%, a US$ 26,17 o barril - um forte ganho de 32,3% na comparação com a semana anterior. Já o Brent para julho, referência no mercado europeu, registrou ganho de 0,87%, a US$ 30,97 o barril, com avanço semanal de 17,1%./ COLABORARAM ANDRÉ MARINHO, MARCELA GUIMARÃES, GABRIEL BUENO DA COSTA E MAIARA SANTIAGO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.