Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE
Gabby Jones/The New York Times
Gabby Jones/The New York Times

Mercados internacionais fecham em alta após divulgação de dados econômicos fortes

Saldo comercial da China fechou acima do esperado em abril, enquanto na Alemanha, produção industrial também subiu; nos EUA, geração de empregos no mês passado decepcionou

Redação, O Estado de S.Paulo

07 de maio de 2021 | 17h15

As Bolsas de Nova York, Europa e Ásia fecharam majoritariamente em alta nesta sexta-feira, 7, apoiadas por dados econômicos fortes da China e também da Alemanha. Nos Estados Unidos, a geração de empregos em abril ficou abaixo do esperado, mas ajudou a reforçar a importância da manutenção dos estímulos.

Entre os indicadores, o único a vir abaixo do esperado foi o payroll, relatório de geração de empregos americano, que mostrou a geração de 266 mil vagas em abril, bem abaixo da mediana de 1 milhão prevista por analistas consultados pelo Estadão/Broadcast. Houve ainda aumento na taxa de desemprego do país, de 6,0% para 6,1% entre março e o mês passado.

Para o presidente americano  Joe Biden, os números mostram que "ainda há muito trabalho a fazer" até que a economia do país se recupere totalmente do choque da pandemia. Em declarações a repórteres na Casa Branca, Biden disse que o dado mostrou que "mais ajuda é necessária" e garantiu que ela "está a caminho". Com o dado abaixo do esperado, ele espera conseguir mais apoio para aprovar seu pacote de infraestrutura de US$ 2,25 trilhões, que tem encontrado resistências entre os republicanos.

Já na China, as exportações totais aumentaram 32,3% em abril, resultado bastante superior às expectativas, que eram de um crescimento de 24,1%. As importações chinesas subiam 43,1% também além do esperado. O país reportou saldo comercial de abril de US$ 42,85 bilhões, bem acima dos US$ 28,20 bilhões de analistas ouvidos pelo The Wall Street Journal.  Na Alemanha, a produção industrial subiu 2,5% em março ante fevereiro. 

Bolsas de Nova York

Apesar do dado abaixo do esperado, as Bolsas de Nova York fecharam em alta. Dow Jones e S&P 500 tiveram ganhos de 0,66% e 0,73% cada, batendo novos recordes históricos de fechamento. Já o Nasdaq avançou 0,88%.

Bolsas da Europa

No continente europeu, o índice pan-europeu Stoxx 600, que concentra as principais empresas da região, fechou em alta de 0,89%. Enquanto isso, a Bolsa de Londres subiu 0,76%, a de Frankfurt teve ganho de 1,34% e a de Paris registrou ganho de 0,45%. As Bolsas de MilãoMadri e Lisboa subiram 0,48%, 0,86% e 1,13% cada. Todos os índices registraram ganhos na semana.

Bolsas da Ásia

Apesar do dado forte na China, os índices locais de Xangai e Shenzhen fecharam com quedas de 0,65% e 1,62%, ainda sentindo os efeitos do feriado de três dias, que acabou na quarta-feira. Hong Kong também cedeu 0,09%. Já a Bolsa de Tóquio teve alta de 0,09%, Seul avançou 0,58% e Taiwan registrou ganho de 1,71%.

Petróleo

petróleo encerrou esta sexta em alta, em dia marcado pela volatilidade nos contratos futuros da commodity energética em meio ao relatório de empregos dos EUA. O óleo acentuou quedas nos minutos seguintes à divulgação dos números, bem abaixo das expectativas de analistas, mas retomou o avanço visto no começo da sessão diante da queda do dólar. O dado positivo da China também ajudou.

O barril do WTI com entrega prevista para junho fechou em alta diária de 0,29%, e semanal de 2,08%, a US$ 64,90. Já o Brent para julho avançou 0,28% hoje e 2,28% na semana, a US$ 68,28 o barril. /MAIARA SANTIAGO, GABRIEL CALDEIRA E GABRIEL BUENO DA COSTA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.