Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE
Colin Zimmerman/ New York Stock Exchange via AP
Colin Zimmerman/ New York Stock Exchange via AP

Mercados internacionais fecham mistos, com Nova York atenta ao BC americano

Federal Reserve divulgou hoje um documento com impressões sobre a economia dos Estados Unidos, no qual destacou a chance de alta persistente da inflação

Redação, O Estado de S.Paulo

02 de junho de 2021 | 17h30

Os principais índices do exterior fecharam mistos nesta quarta-feira, 2, apesar dos dados positivos para as economias americana, chinesa e da zona do euro que foram divulgados no dia anterior. Hoje, investidores de Wall Street monitoraram os próximos passos do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) para a política monetária dos Estados Unidos.

O Livro Bege do Fed, documento com opiniões de dirigentes da entidade monetária que embasa as decisões de política monetária dos EUA, foi visto com atenção pelo mercado. A entidade monetária indicou que a economia dos EUA cresceu "a um ritmo moderado" entre o início de abril e o fim de maio, "um pouco mais rápido" do que no período imediatamente anterior. 

Em outro ponto do documento, o Fed mostrou que as pressões inflacionárias cresceram nos Estados Unidos desde abril e apontou que as empresas do país esperam contínuo aumento dos custos e dos preços nos próximos meses. "O fortalecimento da demanda permitiu que algumas empresas, principalmente fabricantes, construtoras e empresas de transporte, repassassem grande parte dos aumentos de custos para seus clientes", conclui.

"Investidores permanecem otimistas de que uma recuperação mais lenta do mercado de trabalho e uma inflação transitória permitirão ao Fed continuar a impulsionar a economia", avalia Edward Moya, analista da Oanda. "Serão necessários relatórios de inflação muito mais altos do que o esperado para mudar a opinião de que o aumento será temporário", acredita ele. 

Bolsa de Nova York

Em Nova York, os índices registraram ganhos contidos após a divulgação do Livro Bege do Fed. Dow Jones, S&P 500 e Nasdaq fecharam com altas de 0,07%, 0,14% e 1,15% cada. Os papéis do setor de tecnologia recuaram hoje, com Tesla em queda de 3,01%, enquanto Microsoft e Alphabet caíram 0,04% e 0,44% cada. Novos ataques especulativos voltaram a chamar atenção nos EUA, com a ação da rede de cinemas AMC em alta de 95,59%. GameStop, com 13,35%, e BlackBerry, com 32,09%, subiram, também alvos de especulação.  

Bolsas da Europa

O índice Stoxx 600, que reúne os principais papéis da região, subiu 0,28%,  enquanto a Bolsa de Londres avançou 0,39%, a de Paris ganhou 0,49% e Frankfurt teve alta de 0,23%, apesar das vendas do varejo caírem 5,5% em abril ante março na Alemanha. A Bolsa de Milão subiu 0,23%, mas Madri e Lisboa foram na contramão e caíram 0,10%, 1,08% cada.

Bolsas da Ásia

O clima também foi misto no mercado asiático. Os índices chineses de Xangai e Shenzhen recuaram 0,76% e 1,18% cada, enquanto a Bolsa de Hong Kong cedeu 0,58%. No lado positivo, Seul avançou 0,07%, Taiwan teve ganho de 0,02% e Tóquio registrou alta de 0,46%.

Já na Oceania, a bolsa australiana terminou a sessão de hoje em nível recorde, com alta de 1,05%, após números de crescimento surpreenderem positivamente e mostrarem que o país retornou a níveis pré-pandemia.

Petróleo

Os contratos futuros de petróleo subiram hoje, renovando máximas em anos e ainda apoiados pela estratégia de retorno apenas gradual da oferta da Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados (Opep+). A possibilidade de ganho de fôlego na demanda, conforme a covid-19 possa ser gradualmente controlada, também colaborou para o movimento.  

Com isso, o WTI para julho fechou em alta de 1,64%, a US$ 68,83 o barril, e o Brent para agosto subiu US$ 1,57, a US$ 71,35 o barril. O WTI renovava máximas desde 2018 e o Brent renovaram ambos os maiores níveis de fechamento desde maio de 2019. O movimento favoreceu ações de petroleiras, com BP e Royal Dutch Shell em altas de 2,02% e 1,82% em Londres. Nos Estados Unidos, ChevronExxonMobil e Ocidental Petroleum avançaram 1,37%, 0,83% e 2,63% cada.  /MAIARA SANTIAGO, ANDRÉ MARINHO, IANDER PORCELLA, MATHEUS ANDRADE E GABRIEL BUENO DA COSTA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.