Daniel Slim/AFP
Daniel Slim/AFP

Mercados internacionais fecham mistos de olho em decisão do banco central americano

Federal Reserve (Fed) decide na quarta-feira, 28, se mantém ou não os juros dos Estados Unidos entre 0% e 0,25% ao ano

Redação, O Estado de S.Paulo

27 de abril de 2021 | 17h20

Os principais índices do exterior fecharam sem sentido único nesta terça-feira, 27, à espera da decisão do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) sobre a política monetária dos Estados Unidos. Enquanto isso, os investidores realizam lucros e também seguem atentos à divulgação dos balanços das principais companhias do mundo.

Analistas consultados pelo Estadão/Broadcast estimam que a autoridade monetária americana deve manter a sua taxa de juros entre 0% e 0,25%, bem como a sua perspectiva cautelosamente otimista para a economia dos EUA, afastando a possibilidade de aperto monetário.  

Já na temporada de balanços, investidores aguardam ansiosamente pelos balanços do primeiro trimestre de Microsoft, Visa e Alphabet, empresa controladora do Google.

Nesta madrugada, o BC japonês, conhecido como BoJ, deixou sua política monetária inalterada, mas reiterou a disposição de adotar medidas adicionais, se necessário. Já seu presidente, Haruhiko Kuroda, avaliou que a meta de inflação de 2% do BoJ ainda é viável, embora as projeções para os próximos anos sejam de preços fracos.

Bolsas de Nova York

Em Nova York, de olho na decisão do Fed e à espera de balanços importantes, os índices fecharam em queda. O Dow Jones fechou estável, enquanto S&P 500 e Nasdaq caíram 0,02% e 0,34% cada.

A expectativa também pressionou os títulos do Tesouro americano. O rendimento do papel com vencimento em dez anos subiu 1,620%, enquanto o de trinta anos teve alta de 2,294%.   

Bolsas da Europa

O índice pan-europeu Stoxx 600, que concentra as principais empresas da região, fechou em queda de 0,08%, enquanto a Bolsa de Londres recuou 0,26%, a de Paris teve queda modesta de 0,03% e a de Frankfurt recuou 0,31%. Os índices de Milão e Lisboa recuaram 0,17% e 0,16%. Já Madri foi na contramão e subiu 0,63%.

Bolsas da Ásia

A Bolsa de Tóquio caiu 0,46%, enquanto a de Seul cedeu 0,07% e a de Hong Kong recuou 0,04%. Na contramão, os índices chineses de XangaiShenzhen subiram 0,04% e 0,03%. A Bolsa de Taiwan também ganhou 0,13%.

Na Oceania, a bolsa australiana ficou levemente no vermelho e caiu 0,17%, pressionada por ações de tecnologia e saúde.

Petróleo

O petróleo fechou em alta nesta terça-feira após a Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados, grupo conhecido como Opep+, reafirmar o acordo para conter a oferta da commodity. Ainda assim, as preocupações com a escalada da pandemia de covid-19 em países como a Índia permanecem como pano de fundo. O barril do WTI para junho avançou 1,66%, a US$ 62,94. Já o Brent para julho, que agora é o contrato mais líquido, subiu 1,29%, a US$ 65,87 o barril. /MAIARA SANTIAGO, GABRIEL CALDEIRA E IANDER PORCELLA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.