EFE/EPA/YONHAP
EFE/EPA/YONHAP

Juros

E-Investidor: Esperado, novo corte da Selic deve acelerar troca da renda fixa por variável

Mercados internacionais têm manhã em alta, em meio a balanços, Fed e reversão de isolamento

Alguns dos resultados de empresas divulgados vêm agradando investidores; além disso, banco central americano toma decisão de política monetária importante nesta quarta

Sergio Caldas, Nicholas Shores e Felipe Siqueira, O Estado de S.Paulo

29 de abril de 2020 | 06h24
Atualizado 30 de abril de 2020 | 18h05

Os mercados internacionais têm, majoritariamente, alta, nesta quarta-feira, 29. Na Europa, os índices operam em meio a a alguns resultados de balanços de empresas que vêm agradando. Já na Ásia, investidores demonstraram maior apetite por risco em meio ao alívio de restrições impostas para conter a propagação do coronavírus e também com a recuperação do petróleo, após fortes perdas recentes. 

A valorização na Ásia veio em meio a sinais de que partes dos Estados Unidos e da Europa começaram a ou se preparam para gradualmente reverter medidas de isolamento adotadas numa tentativa de conter a disseminação. 

Em diferentes partes do globo, mercados estão aguardando quais são os efeitos da pandemia do novo coronavírus nas respectivas economias, já que o impacto real e total da disseminação rápida da doença ainda não é conhecido, o que traz fortes incertezas, deixando índices voláteis. 

Além disso, ambos os mercados estão de olho na decisão monetária que o Federal Reeserve (Fed, o banco central americano) fará nesta quarta-feira, 29, à tarde. Nos Estados Unidos, o último registro sobre a pandemia é de 2.207 novas mortes nas últimas 24 horas, um novo aumento em relação ao dia anterior, segundo contagem da Universidade Johns Hopkins.

O país é o atual epicentro da doença no mundo. O presidente dos EUA, Donald Trump, afirmou que  planeja exigir que pessoas que chegam aos EUA, especialmente vindas do Brasil e de países da América Latina, sejam testadas para coronavírus antes de embarcar. “Estamos elaborando um sistema pelo qual testaríamos (os passageiros) e estamos trabalhando com as companhias aéreas sobre isso”, afirmou o presidente.

Bolsas da Europa

Às 4h15, no horário de Brasília, a Bolsa de Londres subia 0,41%, a de Paris avançava 0,31% e a de Frankfurt se valorizava 0,34%. Já em Milão, Madri e Lisboa, os ganhos eram de 0,34%, 0,29% e 0,55%, respectivamente. 

Bolsas da Ásia 

Os índices dos mercados asiáticos fecharam com alta generalizada na manhã desta quarta, com exceção do Japão, em que não houve negociações por conta de um feriado local. O maior avanço foi em Taiwan, com 1,47%, seguido de Coreia do Sul, 0,70%, China, 0,44%, e Hong Kong, 0,28%. Na Oceania, a Bolsa da Austrália subiu 1,53%. 

Petróleo 

Os contratos futuros de petróleo operam em alta no início da sessão desta quarta-feira, com destaque para a disparada em torno de 15% do tipo WTI na Nymex. Na terça-feira, 28, o Instituto de Petróleo Americano (API) apontou um aumento dos estoques da commodity nos Estados Unidos da ordem de 10 milhões de barris na semana passada - a projeção de analistas consultados pelo Wall Street Journal para a contagem oficial do Departamento de Energia (DoE) americano nesta quarta-feira é de um avanço de 11 milhões de barris nos estoques.

Às 4h20 (de Brasília), o barril do WTI para junho avançava 15,07% na Nymex, a US$ 14,20, enquanto o Brent para julho subia 3,30% na ICE, a US$ 23,49 o barril. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.