Mercados: investidores atentos à Argentina

A troca de comando no Banco Central argentino foi bem recebida pelos investidores. A indicação do empresário Roque Maccarone ainda não é oficial, mas a presença de um homem de confiança do ministro da Economia, Domingo Cavallo, na presidência da instituição reduziu, em parte, a instabilidade no mercado financeiro. Os papéis da dívida argentina (FRBs), assim como os títulos brasileiros (C-Bonds), refletem a melhora momentânea do cenário. A alta é de 3,150% e 1,063%, respectivamente, em relação ao fechamento de ontem. Mas as incertezas dos investidores em relação à capacidade da Argentina de honrar suas dívidas e retomar o crescimento econômico continuam e qualquer fato novo pode provocar reações nos mercados. Na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), a alta é de 1,22%. O dólar comercial está cotado a R$ 2,2570 na ponta de venda dos negócios - queda de 0,13% em relação aos últimos negócios de ontem. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - pagam juros de 22,300% ao ano, frente a 23,100% ao ano ontem. Veja mais informações sobre a situação argentina e a crise política interna, que também afeta o mercado financeiro nos links abaixo.Veja também no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.