Mercados: investidores atentos à Argentina

O anúncio feito pelo novo presidente do Banco Central (BC) da Argentina, Roque Maccarone, referente a uma possível troca de títulos da dívida de prazo mais curto por papéis com prazo mais longo foi muito bem recebida pelo mercado financeiro. A correspondente da Agência Estado em Buenos Aires, Marina Guimarães, levantou a gravação das declarações dadas por Maccarone a uma rádio argentina, confirmando que essa operação está em estudo. Analistas ouvidos pelo repórter André Palhano afirmaram que os investidores podem apresentar ainda algum nervosismo, dependendo dos termos da negociação, pois sabe-se que os bancos terão que assumir perdas. Porém, esse prejuízo deve ser menor do que seria, caso a Argentina não encontrasse uma forma para negociar sua dívida. Os principais títulos da dívida da Argentina (FRBs) estão em alta de 2,850%, vendidos a 0,81600 centavos por dólar. Já os papéis da dívida brasileira operam com valorização de 0,813% e são cotados a 0,74938 centavos por dólar. A alta nesses ativos favorece a um recuo das cotações do dólar. Há pouco a moeda norte-americana era vendida a R$ 2,2520 - queda de 1,62% em relação aos últimos negócios de ontem. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) registra alta de 3,48%. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - pagam juros de 21,800% ao ano, frente a 23,500% ao ano ontem.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.