finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Mercados: investidores atentos aos EUA

O cenário externo continua com grande importância para os investidores, principalmente hoje quando o banco central norte-americano (FED) divulgará às 17h15 (de Brasília) a nova taxa de juros no país. Atualmente os juros norte-americanos estão em 6,0% ao ano e a expectativa da maioria dos analistas é de um corte de 0,5 ponto porcentual. Uma redução menor do que essa pode deixar os investidores pessimistas e apreensivos, provocando baixas nas bolsas e alta das taxas de juros.Há pouco, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) operava em alta de 0,41%. O dólar comercial está cotado a R$ 1,9740 na ponta de venda dos negócios - alta de 0,36% em relação às últimas operações de ontem. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - começam o dia pagando juros de 15,360% ao ano, frente a 15,440% ao ano registrados ontem. Mas, antes disso, o mercado financeiro estará atento à divulgação da primeira estimativa oficial do PIB dos Estados Unidos referente ao quarto trimestre de 2000, que deve ser divulgada às 11h30 (de Brasília). A previsão média de 17 economistas ouvidos em pesquisa Dow Jones/CNBC é de um crescimento de 1,9%, em razão da diminuição dos investimentos das empresas e da queda das exportações norte-americanas. No terceiro trimestre, a economia norte-americana cresceu 2,2%. O ritmo do desaquecimento da economia dos Estados Unidos vem preocupando os analistas. Uma desaceleração muito rápida pode provocar uma recessão no país e comprometer o desempenho econômico de outros países. O corte das taxas de juros nos EUA, iniciado em 3 de janeiro, pretende evitar esse cenário. Porém, como o impacto dessa redução leva um tempo para ser percebido, aproximadamente seis meses, até lá a economia dos norte-americana será motivo de preocupação.

Agencia Estado,

31 de janeiro de 2001 | 10h29

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.