Mercados: leilão e Greenspan agradam analistas

Tanto o resultado do leilão de licitação da banda D de telefonia celular quanto as declarações do presidente do banco central norte-americano (FED), Alan Greenspan, foram bem recebidos pelo mercado financeiro. No caso do leilão, a vitória da Telecom Itália na disputa pelas regiões 2 e 3, reforçaram a tendência de queda para o dólar. Isso porque espera-se um ingresso de US$ 750 milhões no mercado, o que pode gerar um aumento da oferta da moeda norte-americana. Já as declarações de Greenspan sinalizaram que a instituição está atenta ao ritmo do desaquecimento da economia norte-americana e que há sinais de que a desaceleração está acontecendo de maneira menos forçada do que temiam os analistas. Isso pode sugerir aos investidores que o corte de juros nos EUA não deve ocorrer de maneira acelerada. O FED já baixou a taxa em 1 ponto porcentual - de 6,5% ao ano para 5,5% ao ano - em 2001 e o objetivo da instituição é evitar que um desaquecimento muito rápido provoque uma situação de recessão no país.No início da tarde, o dólar estava cotado a R$ 1,9830 na ponta de venda dos negócios - queda de 0,10% em relação aos últimos negócios de ontem. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) opera em alta de 1,37%. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - pagam juros de 15,7500% ao ano, frente a 15,7150% ao ano ontem.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.