Mercados: manhã nervosa, melhora à tarde

No início do dia, os mercados reagiram muito negativamente à divulgação da prévia do IPCA-15, a prévia do Índice de Preços ao Consumidor Ampliado, índice oficial de inflação no Brasil. O valor ficou em 1,99%, acima do projetado pelo mercado. O mesmo ocorreu ontem, com a divulgação da prévia do IPC - Índice de Preços ao Consumidor da Fipe - Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas. Amanhã será divulgada a prévia do IGP-M, o Índice Geral de Preços de Mercado, da Fundação Getúlio Vargas.No final da manhã, porém, o diretor de política monetária do Banco Central (BC), Luiz Fernando Figueiredo, acalmou o mercado numa entrevista coletiva, afirmando que as metas do governo estão mantidas, que a inflação está controlada e os juros continuam em tendência de queda. A preocupação do mercado é que, com a inflação recuando mais lentamente do que se projetava, os juros também tenham que cair mais lentamente, afetando todo o mercado financeiro. No final da tarde, após o fechamento do pregão, o ministro da Fazenda, Pedro Malan, confirmou as declarações de Figueiredo.Com a entrevista do diretor do BC, os mercados reagiram, fechando com resultados ligeiramente positivos. A Bovespa - Bolsa de Valores de São Paulo - fechou em queda de 0,61%. O destaque foi a divulgação de que a Petrobras lançará ADRs também para suas ações preferenciais (PN, sem direito a voto). ADRs são American Depositary Receipts, recibos de ações de empresas brasileiras, para negociação na bolsa de Nova York. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - pagavam juros de 17,020% ao ano, frente a 17,200 % ao ano ontem. O dólar fechou em R$ 1,8280, com queda de 0,16%.Nos Estados Unidos, as bolsas oscilaram pouco, sem notícias que abalassem os mercados externos. O Dow Jones - Índice que mede as ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - fechou em queda de 0,34%, e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York - fechou em alta de 0,28%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.