Mercados mantêm expectativas sobre reformas

Os mercados refletiram hoje a percepção dos investidores em relação ao processo de aprovação das reformas. No mercado de juros, o clima foi de tranqüilidade. Isso porque as alterações em relação à proposta original do relatório sobre a reforma da Previdência vieram dentro do que se previa e, na opinião dos analistas, não feriram o que é considerada a espinha dorsal da reforma, que é a contribuição dos servidores inativos. Além disso, de acordo com as contas apresentadas hoje, as mudanças não implicarão em um prejuízo fiscal significativo. Na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), os contratos de juros futuros com taxas pós-fixadas e vencimento em abril encerraram o dia em 21,18% ao ano. Na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), nem o desempenho ruim das bolsas de Nova York prejudicou o clima positivo. O Índice que mede a valorização das ações mais negociadas na Bolsa (Ibovespa) fechou com alta de 1%, enquanto a Nasdaq ? bolsa que negocia papéis do setor de tecnologia e Internet nos EUA ? fechou em baixa de 2,86%. O índice Dow Jones ? que mede a valorização das ações mais negociadas na bolsa de Nova York ? fechou em queda de 0,48%. De qualquer forma, o volume financeiro, de R$ 576 milhões, mostrou que o mercado mantém a expectativa sobre o que poderá vir por aí. O dólar comercial fechou em alta de 0,63% em relação aos últimos negócios de ontem, cotado a R$ 2,8700 na ponta de venda das operações. A moeda norte-americana abriu cotada a R$ 2,8450 e oscilou da máxima de R$ 2,8730 à mínima de R$ 2,8400. Com o resultado de hoje, o dólar registra alta de 0,99% em julho e, no acumulado do ano, apresenta uma queda de 18,93%. Veja mais informações sobre o processo de aprovação da reforma da Previdência no link abaixo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.