Mercados menos eufóricos e atentos à Argentina

O mercado financeiro continua atento ao cenário argentino. A expectativa é de que o impasse na área fiscal entre União e províncias na Argentina possa ser resolvido ainda hoje. Segundo apurou a correspondente Marina Guimarães, a União dará aos governadores a garantia que eles exigem para assinar o novo pacto fiscal: de que suas dívidas serão refinanciadas com uma taxa de juros de 7% anual.O presidente Fernando De la Rúa embarca amanhã para os Estados Unidos e pretende ter garantida a negociação com os investidores. A correspondente informou que, mesmo que não se assine o acordo em conjunto, o governo começará a receber a adesão à sua proposta individualmente. Vários governadores de províncias que estão em uma situação mais crítica já demonstraram interesse em assinar o acordo. Dentre estas províncias estão: Río Negro, Chaco, La Rioja, Entre Ríos e outras. Apesar da província de Buenos Aires ser a mais endividada, como justicialista, Carlos Ruckauf ainda mantém uma postura crítica ao acordo.Veja os números do mercado financeiroO dólar comercial para venda fechou em R$ 2,6180, com alta de 0,31%. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - pagam juros de 21,360% ao ano, frente a 21,400% ao ano ontem. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) opera com queda de 0,39%.Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.